Google+

16 de janeiro de 2012

UM AUDI QUATTRO ESPANHOL



Nesse domingo terminou o Rali Dacar 2012, pelo quarto ano seguido realizado na América do Sul e sem passagem pelo Brasil. Mais uma vergonha nacional, e mais uma prova de que aquela propaganda de posto de gasolina, afirmando que brasileiro é apaixonado por automóvel, é mais uma das inúmeras mentiras dos “marketeiros”. Balela pura.

O Audi Coupé Quattro Raid mostrado aqui deveria ter sido mais desenvolvido para chegar a competir no Dacar, a mais exigente e longa competição fora de estrada, cuja simples participação é algo notório, chegar ao final é espetacular e vencer pode ser parcialmente explicado apenas por quem já conseguiu. Não é fato para passar em branco, nem para ser pouco festejado.

O mais interessante é que a fabricação desse carro com carroceria de compósito de fibra de carbono não foi feita pela Audi, tampouco por uma empresa especializada em carros de corrida. O trabalho ficou sob responsabilidade da Seat Sport, a divisão de competições da Seat, a marca espanhola do grupo Volkswagen.


Em 1991, após a participação iniciada em 1990, conseguiu a vitória no Campeonato de España de Raids (ralis de grande distância) com o piloto José Maria Serviá, que também participou do Dacar por vários anos, ficando conhecido principalmente por ser o companheiro de equipe de Jean-Louis Schlesser, com seus famosos “bugues” de tração apenas nas rodas traseiras.


Já em 1990, a vitória em uma das provas mais bem freqüentadas, a Baja España Aragón,  um rali de aproximadamente 1.000 km onde carros de várias marcas e tipos e com preparações as mais incríveis competem, mostrava que o carro poderia obter boas participações em ralis de maior distância. Essa prova já tem 28 anos e,  sendo realizada no meio do ano, serve também como campo de provas para quem vai ao Dacar do ano seguinte. Se um carro for bem nela, é um bom indício que poderá se comportar bem no Dacar. Se negativo, há cerca de cinco meses para tentar melhorias.




O que aconteceu exatamente apenas é sabido dentro do grupo Volkswagen. O fato é que em 1992 a Seat competiu em vários campeonatos com o Toledo Marathon, um protótipo com o mesmo conceito desse Audi, e também com tração nas quatro rodas. Depois de algumas vitórias, o próximo passo da marca espanhola foi estrear no Campeonato Mundial de Rali.

Provavelmente foi uma decisão puramente de mercado optar pela marca de casa, em vez de trabalhar para promover a alemã, já bastante conhecida pelas participações do Audi Quattro original no Mundial.

A ficha técnica simplificada que encontrei mostra o motor de cinco cilindros de 2,1 litros desenvolvendo 300 cv a 6.500 rpm e cerca de 45 kgf·m de torque a 4.500 rpm, distribuídos no sistema de três diferenciais.


Uma pena que as fontes pesquisadas trazem poucas informações sobre esse carro. As duas fotos que encontrei são de baixa qualidade, e as melhores são da revista portuguesa Automotor, que escanenei de um velho exemplar.


Se algum leitor encontrar mais informações, nos envie os links nos comentários, por favor.
 
JJ

15 comentários:

  1. Feioso mas invocado para kct !!

    ResponderExcluir
  2. É ISSO AÍ JJ! PAU NELES!

    ResponderExcluir
  3. 4x4.. Imagina o que deve beber hein JJ. Fora a manutenção, muito complicada e cara. Sem contar o valor de revenda e a difícil liquidez, é mais fácil passar AIDS pra frente do que isso daí.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. muito mais jogo um Pontiac Aztek ou um Nissan Juke, né Juvenal!

    ResponderExcluir
  7. Mas que comentário mais sem noção desse anônimo...

    Enfim, melhor ler isso que ser cego.

    ResponderExcluir
  8. Digo Garcia,
    obrigado pelo único comentário útil.

    ResponderExcluir
  9. Eu não sabia da existecia desse carro. Sempre vi muita coisa sobre os Audi Quatro grupo B, IMSA etc. Estes motores 5 cilindros turbos sempre foram muito potentes e confiaveis. Hoje estão no S3 e entregam 340/350cv num carro de produção normal. MAs já atingiram mais de 700 cv.

    ResponderExcluir
  10. Ivo Junior17/01/12 09:09

    Se o Audi Quattro já era um monstro no WRC, sendo baseado nos carros de rua (monobloco de lata com rollcage), imagino esse com carroceria mais leve, em compósitos. Devia sobrar motor a prova toda, o que é bom para a confiabilidade do conjunto todo (trem de força, suspensão e freios).

    Conceito muito interessante, pena que há pouco material deste carro. Seria uma maneira mais em conta de participar de um Rally Sertões, por exemplo. Apenas colocaria um motor turbodiesel, pelo torque e economia, mas ainda assim fico sonhando com a "VW Touareg" do Dakar, um espetáculo.

    Ivo Junior.

    ResponderExcluir
  11. ao Anonimo 15:43,

    Um carro desses é para quem tem bom gosto para carros, não para quem quer apenas ir do ponto A ao B.

    Para ir do ponto A ao B, até o Uno Mille é bom!

    ResponderExcluir
  12. Real Power,
    veja que é mesmo dificil descobrir algo mais sobre esse carro. Procurei muito antes de escrever e postar aqui, e as informações são mínimas.

    ResponderExcluir
  13. Ivo Junior,
    uma evolução desse carro por mais duas décadas dá um Touareg protótipo de Dakar !

    ResponderExcluir
  14. comentários úteis para um colunista igualmente útil!

    ResponderExcluir
  15. http://www.supercars.net/Search2?INPUT=audi+quattro&searchType=cars

    ResponderExcluir

Olá AUTOentusiasta, seu comentário é sempre bem-vindo! De preferência, identifique-se ao comentar.
Atenção: comentários contendo ofensas pessoais, a marcas, a fabricantes isoladamente e/ou em conjunto, a nacionalidade de veículos, bem como questionando práticas comerciais lícitas e margens de lucro aceitáveis nas quais este blog não interfere, bem como o uso de palavras de baixo calão e a exposição de outros leitores ao ridículo, não serão publicados. O AUTOentusiastas se reserva o direito de editar os comentários sem declinar motivo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...