8 de fevereiro de 2012

CARROCINHA DIVERTIDA



Neste final de semana que passou, viajei e precisei alugar um carro no destino. Reservei em uma grande e conhecida locadora um carro básico “Grupo A”, como eles chamam. Chegando ao balcão, a atendente me disse que seria um Celta. “Ah, mas Celta? Não tem outro?”, “Não, senhor, grupo A só temos Celta”.

Meu desapontamento veio porque não gosto do Celta, para mim ele já nasceu ordinário. Fruto do projeto “Arara Azul”, ele veio para ser uma versão de entrada, baseado no antigo Corsa. O Corsa que primeiro conhecemos aqui já é uma reestilização profunda do antigo Corsa A de 1982, que nunca aportou no Brasil. Aproveitaram a plataforma, esticando-a um pouco e fizeram o Corsa B, que para nós foi o primeiro.

Portanto, é uma plataforma que nasceu no início dos anos 80, da mesma geração do Monza e do Kadett. A GM estava para lançar o Corsa C (segunda geração, para nós), com melhorias como o uso de subchassi e ela considerou que ele era bom demais para ser carro de entrada para o povo do maior país do Hemisfério Sul. Por outro lado, o Corsa já estava meio cansado no mercado, também estava saindo de linha na Europa, aí tiveram uma ideia brilhante: Mudar a “casca” do Corsa e ao mesmo tempo simplificando-o, de forma que fosse o mais barato de produzir quanto possível. Assim nascia o Celta, uma versão com novo visual do velho Corsa, que fora devidamente depenado para custar menos para o fabricante.

Como veio do Corsa, o Celta herdou o aperto de seu antecessor: o espaço transversal é exíguo, fazendo com que seja fácil bater ombro com ombro entre motorista e passageiro. Além disso, é comum esbarrar na perna do passageiro ao engatar a 5ª marcha. A distância entre-eixos é pequena e para melhorar o espaço traseiro, a caixa de roda invade o habitáculo, se tornando um incômodo obstáculo para o pé esquerdo, pois por ser muito recuada, obriga a perna a ficar dobrada ao se apoiar o pé nela.

Por vir de uma plataforma cujas origens remontam aos anos 80, ele é um carro inseguro em termos de segurança passiva. A prova disso é que se saiu muito mal no recente teste de impacto da Latin NCAP, a ponto da estrutura ter se deformado gravemente. Para coroar, o acabamento é propositalmente simplório demais. Para reduzir custos, a GM exagerou na dose do uso de plásticos baratos, duros, que não são agradáveis ao toque. Painel e revestimentos de porta são peças únicas de plástico, o revestimento dos bancos é de um tecido áspero e barato. Além disso, praticamente não há revestimento termoacústico, o que faz com que o carro seja muito barulhento, ouve-se com clareza as pedrinhas levantadas pelas rodas batendo na carroceria. Isso tudo confere um ar de muita pobreza ao interior do carro.

Bem, por tudo isso está explicado por que eu não gosto do Celta. Como carro, considero-o ruim: Depenado, apertado, ultrapassado e inseguro em caso de acidente. Daí meu desgosto em alugá-lo, não que seus concorrentes fossem opções muito melhores, mas o Celta é a essência do que eu não gosto em um carro, é a personificação da “carroça nacional” (daí o título do post), que seria inaceitável em qualquer mercado mais amadurecido. Porém, sem outra opção, lá fui eu pegar a tranqueirinha. Deram para mim um Celta 2011 com 30.000 km, duas portas, pelado de tudo. Resignado, entrei no Celta e fui embora.

Eu ainda não havia dirigido um Celta com o motor VHC-E, que, dentre vários melhoramentos, tem acelerador eletrônico e teve sua potência aumentada para 78 cv e seu torque aumentado para 9,7 m·kgf (etanol) em 2009. Belos números para um motor de apenas 1 litro e 2 válvulas por cilindro. No primeiro contato com o carrinho, uma boa surpresa, ele acelera bem, muito melhor do que o 1-litro a que estou acostumado, que é o Fiesta de minha esposa. É aí que eu lembrei do que o grande amigo André Dantas, colunista deste blog, sempre diz: "Tudo na engenharia tem dois lados, sempre que se ganha de um lado, se perde do outro e vice-versa. Se por um lado a plataforma é antiga e sem os reforços estruturais de segurança, por outro lado ela acaba sendo bem leve (reforços pesam...), fazendo com que o Celta pese apenas 860 kg, que empurrados por um motor de 78 cv dão uma relação peso-potência de 11 kg/cv, um número respeitável, ainda mais se tratando de um carro de entrada, cujo objetivo principal é a economia, não o desempenho.

Um parênteses aqui, para quem não conhece a relação peso-potência: Ela é obtida dividindo-se o peso do carro pela potência de seu motor, exprimindo quantos kg do peso do carro cada “cavalo” do motor tem que carregar. Naturalmente, quanto menor este número, menor a carga sobre cada “cavalo”, e, portanto, melhor o desempenho do carro, principalmente em acelerações. O Fiesta “tartaruga sobre rodas” sedã de minha esposa tem 1.150 kg e 65 cv, o que dá 17,7 kg/cv. Brinco dizendo que o motor dele não tem cavalos, tem pangarés cansados, e como os coitados sofrem!!! Para situar melhor os números, eis o peso-potência de alguns carros:

Passat TS 1976: 907 kg/80 cv = 11,3 kg/cv
Diplomata 1992: 1.350 kg/121 cv = 11,1 kg/cv
Maverick GT V-8 1973: 1.400 kg/135 cv = 10,4 kg/cv

Os ícones de desempenho do passado têm relações peso-potência semelhantes ao do Celtinha! Ou seja, um reles Celta pode arrancar bem perto dos grandes ícones da história automobilística nacional.


O espartano Celta arranca junto do pomposo Diplomata 6-cilindros de 4.093 cm³

Falando em carros mais atuais, temos:

Punto 1,4: 1.150 kg/86 cv = 13,4 kg/cv
Corsa 1,4: 1.030 kg/105 cv = 9,8 kg/cv
Vectra Elite 2,0: 1.380 kg/140 cv = 9,9 kg/cv
Fiesta Hatch 1,6: 1.100 kg/111 cv = 10 kg/cv

Ainda assim, o Celta não faz feio frente a carros com motores bem maiores que o dele. Daí ser digno de nota a GM conseguir fazer um carrinho "mil" chegar aos 11 kg/cv.

Nas gerações anteriores, a GM reforçou a característica urbana do Celta dando-lhe agilidade em baixas velocidades ao usar um câmbio com primeira, segunda, terceira e quarta marcha muito curtas (o que gera reclamações de muita gente). Isso confere ao Celta um bom poder de “pulo” nas saídas de semáforo, porém limita a segunda marcha a meros 60 km/h. Com o lançamento do VHC-E, a potência do carro aumentou, mas o câmbio não foi mexido. Isso faz com que ele, apesar de continuar limitado a 60 km/h em segunda marcha, acabe tendo um poder de aceleração surpreendente, sendo até difícil de acreditar que aquela arrancada é de um “carro mil”.

O motor gosta de subir de giro e parece até que pede isso. Sobe liso, firme e forte até a rotação de corte, a 6.600 rpm. Acostumado com o Fusion e com o Fiesta, me surpreendi com a aceleração dele. Tive a nítida impressão que de 0 a 60 km/h ele pula fácil na frente do Fusion, que é pesadão e automático. E deve ser isso mesmo, pois a relação peso-potência dos dois não é muito diferente (11 kg/cv no Celta, 9,5 kg/cv no Fusion), só que o Fusion tem a transmissão automática a atrapalhá-lo na saída, enquanto que o Celta é ajudado por suas marchas curtas. Claro que depois disso o Fusion acaba alcançando, mas até aí o susto já foi dado, o sedã médio-grande tomando calor do carrinho mil...

Painel com conta-giros, muito bem-vindo para tocada mais esportiva

O carro é apertado, como já apontei, um dos culpados é o pequeno entre-eixos, que se por um lado limita o espaço interno, por outro o deixa bem ágil no comportamento, ele obedece prontamente à direção, sendo muito fácil de fazer o carro mudar rapidamente a trajetória. O baixo peso também dá outra bênção ao fazer com que o carrinho pare em espaços curtos, tendo uma resposta vigorosa dos freios, apesar dos discos dianteiros sólidos (podiam ser ventilados, né, dona GM? O carro anda bem, tem 11 kg/cv! Mania de economizar em tudo...).

Para economizar na suspensão, a GM não colocou barra estabilizadora dianteira no Celta e, para diminuir o efeito de rolagem, usou uma calibragem dura, que se por um lado sacrifica o conforto, por outro deixa o carro bem firme, dando bastante segurança nas curvas, mesmo com pneuzinhos 165/70R13S. A roda dianteira interna levantar na curva, puxada pela barra estabilizadora? Jamais.

O resultado dessa combinação é que, se por um lado é desconfortável, por outro o carro fica bem divertido. Acelera bem, está sempre “na mão” e é bem ágil tanto para virar quanto para parar. O Celta é arisco e encoraja o entusiasta a pisar mais fundo e tirar mais diversão dele. Até eu, que tenho um estilo mais calmo de dirigir, acabei me empolgando e colocando mais pimenta no acelerador.

Por isso tudo, o Celta não me pareceu um carro para ser dirigido, mas sim para ser pilotado. Nessa hora, até a falta de isolamento acústico ajuda: Ouve-se tudo que está acontecendo, o motor, os pneus, etc, sem o efeito de “anestesiamento” presente nos carros mais luxuosos, que são mais eficientes em isolar o interior do carro dos barulhos externos. Não sei se existe algum entusiasta trabalhando na GM que percebeu esta vocação “nervosa” do compacto e que brigou lá dentro, conseguindo que ele tivesse um conta-giros no painel, o que é muito útil para se extrair o máximo de desempenho do motor.

Apesar de todo o desconforto, ele é divertido. Como carro, continuo considerando-o muito ruim, mas como brinquedo, ele é bem interessante. Guardadas as devidas proporções, é como um kart, que ao mesmo tempo que é horrorosamente desconfortável, consegue ser deliciosamente divertido.

Nissan March SR. Seria o início da volta dos pocket rockets?

Fico pensando se a GM relançasse a versão com motor de 1,4 litro flex (já houve, só a gasolina, 85 cv, de 2004 a 2007), com seus 105 cv, ela teria um belo pocket rocket na mão. A Nissan já saiu na frente: Lançou o March 1,6-litro, de 111 cv. O March pesa 100 kg a mais que o Celta, tendo uma relação peso-potência de interessantes 8,6 kg/cv. Inclusive, haverá uma versão SR, de apelo esportivo. Com este motor, o March já consegue fazer 0 a 100 km/h abaixo de 10 s. O Celta, com esta mesma potência, teria 8,2 kg/cv, uma relação digna de carro esportivo (para os nossos padrões...), o que deixaria muito carro maior, mais caro e mais pomposo comendo poeira. Fica a sugestão para a GM de lançar uma versão esportiva do Celta, é a prova de que dá para fazer um carro barato e que ande muito bem, para aqueles que priorizam o desempenho em detrimento do conforto.

Eu não teria um Celta como transporte diário por todos os motivos já citados no começo do texto, mas, mesmo xingando tanto o carro, confesso que de vez em quando até que é gostoso dirigir um pela diversão que ele proporciona.

CMF

337 comentários:

  1. Um Celta com motor de 105cv seria um perigo em caso de acidentes... Mas ia andar bem, isso é inegável!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com 78cv ele já um perigo em caso de acidentes...

      Excluir
    2. Com 78cv ele já um perigo em caso de acidente...

      Excluir
  2. Eu também tive a mesmíssima impressão ao dirigir o Celta. Mas se eu tivesse que olhar para aquele interior dele todos os dias, eu teria que tomar antidepressivos...

    ResponderExcluir
  3. Celta é um LIXO.

    Pode ser "divertido" dirigi-lo por algumas poucas horas, mas para transporte diário ou viagem um pouco mais longa, sem chance.

    Nas oportunidades em que precisei alugar um carro (sempre categoria A ou B. Aliás, como está caro alugar um carro), sempre fiz reservas (alugar direto no balcão é um roubo) em duas locadoras. Sei lá, costume....

    Já cheguei num aeroporto e com a reserva em mãos, me informarem que o carro seria um celta. Fui para a outra locadora e peguei um palio.

    Quando alugo carro para trabalho a condição é sempre a mesma: qualquer um, menos o celta.


    Marco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho o pior carro brasileiro de todos os tempos! Tive um Corsa Wind dos últimos (2001), e essa porcaria de celta nem se compara ao Corsa, conseguiram depená-lo até mesmo no tamanho, o celta é bem mais estreito e porco. Quando a empresa vai alugar carro pra mim, EXIJO que não seja celta!

      Alex-BH

      Excluir
  4. Como meu negócio não é "direção esportiva", acho que este carro não deve ter nada que me agrade. Nem como carro, nem como brinquedo. Considero-o o pior carro nacional (tirando a maldita Kombi, campeoníssima, pior entre os piores), numa briga boa com o Mille, mas este foi um carrinho genial um dia, e o Celta nem este passado glorioso tem. Aliás, não chega aos pés de seu "pai", o Corsa Wind.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irritado com o senso comum08/02/12 23:10

      O comentário acima foi feito por um legitimo Brasileiro nascido no chamado "Brasil Suécia" das grandes capitais, onde imperam shoppings centers gente chique e bem vestida.

      A realidade Brasileira FORA desta acima descrita precisa de veiculos robustos e baratos de se adquirir e manter. E o povo que picha a Kombi em nada conhece a dura realidade fora dos grandes centros urbanos. Eita povo ridiculo. O mesmo povo que critica a sociedade rica mostrada em um certo programa de TV, cuhja participante acha inconcebivel certos habitos, é o povo que dentro de seus carros zero km comprado com longos carnes critica a perua Kombi, o Fiat Mille, o Gol G-IV, sempre com argunmentos ridiculos do Latin N-Cap, uma instituição dirigida por um simpatizante do nazismo chamado Max Moosley. E os baba-ovo babando ovo....

      Compre uma Sprinter ou um Ford Transit (que custa o dobro de uma Kombi) e entregue um capital de mais de R$70 mil de na mão de alguém que mal sabe dirigir. Ou entregue numa região onde a melhor oficina mecanica é dotada de uma caixa de chaves comprada em algum camelô.

      Eu fico irritado com comentários mediocres como estes. Feitos por donos da verdade.

      Excluir
    2. Irritado;

      Tenho que concordar...Viajo muito pelo interior e vejo cada coisa...e só Kombi, Mille, e Gol para aguentar o tranco.

      Excluir
    3. "senso comum"09/02/12 02:52

      Irritado com o senso comum, você deveria estar irritado com você mesmo. A sua opinião que representa o senso comum e que é mediocre (na verdade nem mediocre é). Primeiro ainda acha que o Brasil é um país pobre e com cidades do interior sem qualquer infraestrutura, o que é uma mentira. O Brasil hoje é mais rico do que muitos países da Europa e as cidades do interior podem até não contar com oficinas mecânicas com mais conhecimento na maioria das vezes, mas possuem asfalto quase sempre MELHOR que das grandes capitais (além de menos transito e menos lombadas e valetas). Depois acha que as nossas cidades grandes são como a Suécia. Você vive mesmo no Brasil?

      Veículos robustos e de fácil manutenção podem ser necessários em alguns lugares mas não é só Gol GI, Celta, Mille e Kombi que são assim. Até alguns carros considerados de luxo como Civic são muito robustos e de manutenção fácil. É gente COM O SENSO COMUM COMO VOCÊ que prolonga a vida das nossas carroças dando desculpas como essas, sendo que existem muitos modelos mais modernos e seguros pelo mesmo preço, com manutenção fácil e barata. Você que segue o SENSO COMUM com arugumentos ridiculos como tirar toda a importância da segurança passiva dos carros só porque UMA das instituições que realizam os testes FOI dirigida pelo Max Mosley. Seu argumento é tão ruim que nem levou em conta que o Max Mosley NÃO faz mais parte da FIA e que existem várias outras instituições sem ligação nenhuma com a FIA.

      Se você se preocupa tanto com simpatizantes do nazismo e em babar ovo do SENSO COMUM então não poderia apoiar carros como os que você deu exemplo. Eles chegaram na época da ditadura e alguns foram projetados e fabricados seguindo o regime da ditadura brasileira. É esse pensamento que impede o Brasil, QUE É MAIS RICO QUE A SUÉCIA, de ser uma Suécia de verdade.

      Excluir
  5. Bob Sharp tem dois!?!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, ambos Super com ar-condicionado original, um é 2-portas 2002, outro, 4-portas 2003 VHC com direção assistida pós-venda. Comentários que vi aqui: sobre segurança, meu filho foi desviar de uma menina que atravessou a rua de repente, saindo de trás de uma banca de jornais e acertou um poste, no meio. Demoliu e quase deu perda total, faltou pouco. Ele nada teve. Sobre cansar em viagens, já fiz muita viagem de ida e volta ao Rio e chego totalmente descansado. Os que reclamam não estariam com o banco muito afastado?

      Excluir
    2. Bob, já vi muita gente reclamando do volante ser meio torto no Celta e quando entro em um sempre sinto que tem algo fora do lugar. Será que pode ser isso o que tanto incomoda os motoristas?

      Excluir
    3. Com 1,90m de altura, me foi impossível encontrar uma posição de dirigir razoável. Minhas pernas esbarraram no volante não importando como ajustasse o banco, a única coisa ajustável nessa droga. E como se não bastasse, ao invés de espuma dever ter sido usada madeira no banco, pois após 20min sentado nele meu traseiro doía. Ou seja, tudo no Celta é errado, não há nenhuma qualidade que o salve como carro, sequer que é melhor que condução, pois não é.

      Excluir
    4. anda a pé então, mané...

      Excluir
    5. Bob
      O conserto ficou bom? Depois de uma cassetada de frente eu passaria esse carro adiante. Já vi cada coisa...

      Excluir
    6. Eu tive um VHC 2005, de 2005 até 2010. Fiz muitas viagens Itabuna-BA -> Aracaju-SE (e vice-versa), de uns 650 km, e o carro não me cansava. O meu só não era PELADO DE TUDO porque tinha a/c. De resto, tudo "no braço".
      Deixou saudades, carrinho econômico até dizer chega.

      Excluir
    7. Pois é Bob; graças a Deus que seu filho está bem.

      E felizmente o que o LATIN NCAP atesta não se aplica ao todo.

      Excluir
    8. O bom motorista não se envolve em acidentes.

      Excluir
  6. Na minha opinião a referencia da categoria em termos de condução,desempenho e economia continua sendo o Uno ,lançado em 1985,esse sim mereceria um motor 1.4.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que em 1984 não?

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkk boa Jesiel!

      Excluir
    3. o uno foi apresentado a imprensa em agosto de 1984 as vendas iniciaram-se em novembro/dezembro como modelo 85 ,não entendi a graça??????

      Excluir
  7. Rafael Ribeiro08/02/12 12:52

    Brinquedinho que eu não quero ter... Já tive um na empresa e detestava pega-lo, pelos mesmos motivos descritos no texto. E olha que sou baixo e magro, fico imaginando um cara mais encorpado, sem ar condicionado, deve ser "delicioso" pegar um trânsito desse jeito...

    Se é para comprar um carro antigo, inseguro, mas leve e com bom desempenho, ficaria com o Mille, muito mais espaçoso, como já dito em posts anteriores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carro de empresa é broxante por natureza.

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. O texto resume bem o que é ter um celta.

    Fiquei com um desses, VHC 2003, meio baleado diga-se de passagem, enquanto meu 206 estava no conserto.

    Pouco tempo antes tive um Palio Fiasa, 2001.

    O celta decepciona no conforto, mas é um carro que é muito na mão, divertido mesmo.

    muito mais na mão que o Palio G1... imagine o quanto melhor do que a "geração" G2,G3...

    ResponderExcluir
  10. Rodrigo Barreto08/02/12 13:08

    O Celta é tão ruim que nem a GM assumiu a paternidade dele! O slogan de lançamento dele era: "Celta. O melhor carro que VOCÊ já fez!". Mas é notável que ele passe mesmo essa impressão num contato rápido. Com o tempo as limitações dele aparecem com maior força e peso e aí o brilho empalidece...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como em qualquer carro dessa categoria.

      Excluir
  11. Celta é a versão moderna do leite glória, desmancha sem bater. ô porcaria de carro.

    ResponderExcluir
  12. Marcelo Augusto08/02/12 13:17

    Com conta-giros, direção assistida (pra relação baixa, não pra ficar "levinha"), ar-condicionado, e lente esquerda convexa, o Celta é o carro dos mais baratos que mais me agrada tirar o suco dele. Motor de alta potência específica me agrada, e um carro leve.

    Mas quem tem rotação-fobia, e/ou acelerador-fobia, não vai gostar. Mas quem tem essas duas doenças não se enquadra como autoentusiasta.

    ResponderExcluir
  13. Só o Bob gosta de Celta a ponto de ter dois.
    Imagina se ele iria contra a mamata que seu ex-patrão lhe dá.

    Ele gosta até do Agile, diz que é moderno e de desenho arrojado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa de ser tonto, cara!

      Excluir
    2. isso eh verdade..... o bob eh do "contra"! Deus m livre de ter um Celta...kkk

      Excluir
    3. O fragile nada mais é do que este mesmo carro com nova cara e muito mais caro

      Excluir
    4. A fev 8 07:46
      Falou besteira. O direito de comprar carro Chevrolet com desconto é vitalício, como ex-gerente, e não está condicionado a falar bem do produto.

      Excluir
  14. Quer um pocket rocket?
    Compra um Ka Action ou XR dos antigos.
    Diversão garantida sem a tosquisse do Celta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Se o Celta parece divertido, o Fiesta/Ka da geração anterior eram melhores em tudo, menos o motor 1.0, que andava menos. O resto - freio, direção, suspensão, ergonomia, segurança - era tudo melhor.

      Excluir
    2. Celta é popular de motor 1.0. Ka XR, em que pese seu ótimo comportamento, era compacto metido a esportivo e com motor 1.6, um carro de nicho. Comparação indevida. Aliás, o Ka tinha tosquisse também e eram aquelas partes expostas de lataria no interior. Intragável aquilo.

      Excluir
  15. Estranho é o Bob reclamar do IPI que foi aumentado pra proteger o atraso de nossa indústria... aí vai lá e compra um Celta (!)

    Reluto em acreditar nisso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Bob toda hora tá com carro cedido pra teste, vai empenhar um monte de dinheiro num carro que mal vai usar?

      Excluir
    2. Bom, que gosta realmente de carro e entende realmente e se realmente fica indignado com os preços praticados, procura-se melhores opções ou um seminovo.

      Duro é vir aqui meter o pau nas "montadoras" e "lucro brasil" e depois compactuar comprando um deles.

      Aliás, o Bob é da turma do Fernando Calmon - aquele colunista que acha o preço dos carros no Brasil normais e até convidativos, arrumando mil e um argumentos meia boca pra justificar essa posição, com cara de pseudo-intelecto-tucano paulista.

      Excluir
    3. Ledoni
      Os meus Celtas são 2002 e 2003. Quem disse que fui lá e comprei depois de atacar o aumento do IPI? Não invente coisas, por favor.

      Excluir
  16. Rafael Bruno08/02/12 13:54

    Tive um e gostei.
    Não fiquei muito confortável pois tenho 1.85.
    O motor é 10. Sensacional. O pior dele é o encosto de cabeça que é simulado com costura. Ou seja, é um banco alto como de um chevette antigo.

    ResponderExcluir
  17. CMF, a caixa do Celta é "curta" demais. Com certeza traz diversão, mas acredito que deva cansar quem tem um para o dia a dia. Quando dirijo algum Celta de locadora, só uso 2ª, 4ª e 5ª.

    ResponderExcluir
  18. O Celta é ruim em quase tudo, mas consegue ser melhor que um Palio básico de longe.
    O que também não é nenhuma façanha, diga-se de passagem.

    ResponderExcluir
  19. Tenho um Vectra 2,2 16V e esta semana por necessidade de uma carro mais econonomico comprei um basico do basico. A escolha foi simples, meu irmão comprou um quando foi lançado e rodou mais de 130.000 km sem nenhum problema mecanico.Quanto ao conformo sem problema também tenho um fusca 80, e venhamos e convenhamos, este não prima por nenhum conforto.

    Telsi

    ResponderExcluir
  20. Farjoun

    Os pneus são índice "T" e não "S". A rotação de corte informada no manual é de 6800rpm, não mais 6600rpm como nos antigos VHC. E, lembre-se, Palio e Uno tem 2,37m de entre-eixos e nunca vi ninguém reclamar disso. Só para comparar o Corolla antes da mudança de 2002 possuía o mesmo entre-eixos desse GM, 2,44m.
    Relançar o Celta 1.4? esqueça... enquanto tiver Corsa Hatch 1.4 a 29 mil reais(aqui em SP) o Celta não tem chance nenhuma. Se bem que, em se tratando de GM, não me surpreenderia. Já mataram o Corsa sedã, o Astra e os Vectras sedã e hatch de uma tacada só, veja lá no site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A 8/fev 08:05
      A culpa pelo "S" e não "T" foi minha, durante a verificação pré-postagem do post (nossa norma). Como o Farjoun havia escrito apenas 165/70R13, acrescentei o código de velocidade, que considero informação importante. É mesmo "T", 190 km/h ("S" é 180 km/h). Quanto à elevação da rotação de corte, falei nisso insistentemente com a engenharia de motores da GM alguns anos atrás numa entrevista para matéria sobre o motor VHC para a revista Engenharia Automotiva e Aeroespacial, da SAE Brasil, da qual sou consultor editorial. Pelo visto, valeu a pena insistir no assunto. O receio era durabilidade das alavancas de válvulas (fingers) numa rotação mais alta.

      Excluir
    2. Bob, então precisa voltar à carga com esse assunto, só que com relação ao motor 1,4L econoflex. Inaceitável esses 6300rpm de corte num motor com pico de potência a 6000rpm. Andei lendo os dados do Cobalt e a coisa é ainda pior já que o pico ocorre a 6200rpm sendo o corte nos mesmos 6300rpm. O motor do Cruze vai na mesma linha se não me engano com uns 200 ou 300rpm de folga.

      FVG

      Excluir
  21. Bem...dependendo o uso do Celta, esse post é mais que certeiro!

    Tinha um desses 2012 até pouco tempo atrás; com direção assistida e era notório que com - MUITO - empenho, dava para dar um pouco de calor em carros bem mais cotados, tipo..andar pendurado atrás de Corollas novos em curvas de alta, com o japonês firme na frente e o celtinha um pouco irriquieto demais nas suas quatro rodas, mas ainda assim conseguindo quase os mesmos índices de velocidade.

    Gira alto, caixa suave e bem rápida nos 2012, mas ..que no mundo real, quando o acelerador não tem que ser premido a fundo a todo momento, perde feio para um uno econnomy por exemplo, que despacha bem mais rapidamente em baixas e médias rotações, deixando o celta com cara de baixinho marrento emburrado.

    Por quê isso, porque não existe potência no vhc em rotações "humanas", é preciso ficar na eterna ronha de puxar o conta giros lá encima, que até pode ser divertido, mas que não sobrevive a uma viagem realmente longa....

    A relação do diferencial do carro é umas das mais absurdas que já vi, aposto que um cansado diplomata 1992 acelera mais só pelo fato de não ter que trocar quase 4 (!!!!!!) marchas até os 100 km/h como no curto Celta, por isso a relação peso/potência nesses caso, na verdade mascara o verdadeiro potencial desse carro.

    Andando em ritmo de track day, ele despacha bem, anda até bem rápido (cortou a quinta a 168 reais comigo,), mas é um carro que só alguém bem entusiasta irá gostar no dia a dia, seu assento do motorista lá nas alturas é outra coisa que "a GM só faz pra você" e não têm como entender!

    Enfim, melhorou como produto, mas para o bate bola do dia a dia, ele ainda têm falhas incríveis!

    GM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe isso explica porque tem tanto celta forçando passagem a 150km/h que vc, depois de cinco quilômetros, ultrapassa novamente andando a 120km/h e ele a 110km/h... O problema não é "andar rápido", é "por quanto tempo vc consegue andar rápido".
      Me lembra aquele post do cara que gostava de preparar Gol e tirou racha com um RS3, passou o cara sim e explodiu o motor um quilômetro adiante. Que vitória! rs

      Excluir
    2. Bom, quando eu tinha o celta, não era muita gente que me passava não...

      Excluir
    3. Corsário
      Minha esposa tinha um Classic Spirit 2009 VHCE. O colega aí acima a quem você respondeu já sabe dessa história mas vou repeti-la. Na última viagem que fiz com ele, ano passado, fui daqui de São Paulo à Caldas Novas e depois Brasília. Na volta, vim sozinho e, por isso, pude dirigir à moda. Foi cassete o caminho inteiro, mesmo no trecho paulista com sua Anhanguera cheia de radares e limite de 110km/h. No radar, 110, depois, lenha de novo. Em cinco ocasiões levei o bichinho ao corte, com o GPS marcando 174km/h e o velocímetro quase nos 180. Saí da casa de minha cunhada, lá em Sobradinho dos Melo, às 8:00hs, cheguei em casa, aqui na Vila Sônia, 17:40hs. Foram 1060 quilometros, fiz umas seis paradas, nenhuma delas para almoçar já que não estava muito bem naquele dia (preferi não arriscar, hehe...) sendo a última delas em Uberaba para abastecer e, ali, perdi quase meia hora já que a máquina de passar o cartão estava dando problema. Em que pese as limitações do carrinho uma coisa é inegável: O bicho é valente e entrega mais do que o comprador típico espera de algo do gênero. Como se vê, depende muito do motorista e a disposição dele para tanto. Abraços.

      MFF

      Apareça mais ppor aqui com suas peripécias ao volante. Abração.

      FVG

      Excluir
    4. Pô gente, sejamos sinceros...
      Forçando todo carro atual chega lá salvo uma ou outra exceção como QQ.... Mas como ele chega lá? O que vc terá que abrir mão para isso? Ah... Este é o ponto.
      Já tive gol 1,0 peladão, levinho tbm, e era moleza manter 120km/h e dava para levar muito mais. Agora, se precisasse fazer uma manobra brusca, uma freagem súbita... Esquece.
      Correr todo mundo querendo corre, e pode até ser divertido sob um certo ponto de vista (bastante iresponsável), mas não se pode dizer que seja seguro (nem para você nem para os outros), confortável, ou que vá fazer bem ao carro.
      Repito, é como a história publicada por aqui mesmo e que gerou polêmica tbm, do gol que tirou racha com o RS3. O gol preparado passa o RS3? Passa sim. E estoura o motor, leva multa, dá canseira...
      Uma hora a conta é cobrada, e pode ser pane mecânica, multa, ou acidente, e o pior, nem sempre que vai morrer é vc, mas sim outros.

      Excluir
    5. Corsário, você deixou a questão de "por quanto tempo se consegue andar rápido". Foi à isso que eu respondi e, no caso que eu expus, foi por pouco mais de nove horas, e com um carro de mesma mecânica ao do objeto deste post. Sem cometer atos suicidas, tampouco detonando o conjunto. Lembre-se do "motorista macio".

      FVG

      Excluir
    6. jackie chan09/02/12 00:51

      Certamente que dirigir um Celtinha por várias horas a, digamos, 140km/h, não vai prejudicar a vida útil, ou faze-lo quebrar no meio da viagem, salvo problemas pré-existentes. O que é inegável é que para o mesmo trajeto, feito na mesma velocidade média, sob as mesmas condições, a experiência será bem diferente se o carro for de uma ou duas classes superiores.

      Excluir
  22. CMF:
    Já tive Celta 1.4 e realmente anda muito bem.
    Porém você mesmo tocou no assunto acerca do maior ponto fraco do Celta (se não tivesse comentado, eu mesmo o faria): a falta de segurança passiva. Aqui na região da Serra Gaúcha, onde moro, durante o ano de 2011 foram noticiados 6 colisões frontais em estrada envolvendo um Celta, coincidentemente todos da segunda geração, e um outro carro de passeio moderno qualquer (que me lembro foram Focus, Stilo, Fox, Sandero... enfim, nenhuma picape, nenhum carro de luxo e nenhum carro antigo). A 7ª colisão, foi de um Celta contra um poste de concreto.
    Em todos os 7 casos o motorista do Celta morreu na hora, enquanto o motorista do outro carro não sofreu ferimentos para os quais se fizesse necessário atendimento médico.
    Não sei se minha análise é válida, e não sei também se há um pouco de coincidência ou sensacionalismo da imprensa, mas isso me preocupa muito.
    No mesmo período ocorreram aqui na região acidentes similares envolvendo outros populares, especialmente Gol (de todas as gerações), Ka e Clio mas também o próprio Corsa, mesmo da geração antiga, e em nenhum desses o índice de fatalidade foi tão pronunciado. Por falar em Ka, surpreende-me a segurança deste modelo em colisões frontais. O Ka XR, para mim, este sim era um legítimo pocket-rocket!
    Disseram-me, e não sei informar até que ponto essa informação tem sua veracidade, que o Celta deixou de ser exportado para a China justamente porque não havia obtido boas notas nos últimos crash-tests.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra ter um Celta com segurança, tem que ser um Bob Sharp, que compensa da direção defensiva a insegurança passiva!

      Excluir
  23. Pra ficar apenas nos 1.0, o melhor continua sendo o Mille. Mesmo com uma potência menor, o torque máximo aparecendo em baixas rotações (2500 rpm) faz dele uma delícia para se andar na cidade principalmente. Parece que estamos dirigindo um 1.6.

    Na rodovia a história é diferente, com as retomadas de velocidade parecendo a de um 1.0 mesmo. A Fiat até hoje não disponibilizou o 1.4 pro Mille apenas para o modelo não canibalizar o novo Uno e o Palio.

    Não deixo de pensar em um Mille sleeper com esse novo motor 1.8 16v.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o Mille tivesse o motor 1.4 então o nome deveria ser outro, tipo Uno Fire 1.4. Talvez só os loucos e aficionados pelo modelo quadrado de 1984 iriam comprar, talvez uma pessoa entre mil compradores de Mille.

      Um Uno quadrado com 1.8 16v pode ser legal pois seria rápido e silencioso se o escapamento for devidamente dimensionado. Mas como sonhar não custa nenhum centavo e não me machuco também, eu montaria um com o 1.3 16v a gasolina mais um cabeçote multiair + turbo, se encaixar corretamente, e um adesivo C.E. (Cadeira Elétrica).

      Excluir
  24. Quero ver o Bob Sharp falar bem do visual do Cobalt! (bricadeira)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. [x2]

      E ainda vai ressaltar o custo x benefício.

      Reclama dos bandidos da CET mas não reclama dos bandidos de seu ex-patrão.

      Excluir
    2. A fev 9 04:42
      Não dou importância a estilo que a maioria das pessoas dá. Só não deve feio demais. Vendo o Cobalt em fotos (ja solicitei um para teste) acho suas linhas agradáveis. Você não?

      Excluir
  25. Discordo em tudo...

    O celta é ruim de curva, a direção é pesada e desmultiplicada (não sei como a deixaram tão ruim num carro tão pequeno e tão leve), o cambio é curto demais e impreciso o motor gira de menos (com potencia maxima 100rpm antes do corte de giros), sai de frente no asfalto e a traseira é arisca em condições de menos aderencia, pra mim tal carro não tem nada de bom, minha mãe tinha um 2007 com toyo proxxes 185/60/14 e mesmo assim era péssimo em curvas, carro foi comprado zero e sempre foi bem cuidado (sem desculpas que tava com algum problema) porém cada vez que eu guiava ele, gostava menos.


    é um 1.0 que dá show nas retomadas e acelerações graças ao seu motor arisco junto com seu cambio curtíssimo, porém é só.

    PRO MEU GOSTO não serve, é bonitinho, é bom de aceleração pra um 1.0, preço de revenda alto, porém fica por aí mesmo.

    ResponderExcluir
  26. MAO
    Falta você fazer um post do Celta. Você prometeu e ainda não cumpriu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria melhor ter ido ver o Pelé

      Excluir
    2. Vai você, então.

      Excluir
    3. Manhêee olha ele!!!

      Excluir
    4. MAO
      Depois que voce fizer o post do excelente celta, faça um conto erótico com a Regina Casé e o Ronald Golias

      Excluir
  27. Somente um tonto sem noção vai se perder numa curva com um carro desses. Sinto muito se a carapuça servir a muitos que comentam aqui, mas é a pura realidade, independentemente das limitações de projeto do carro e que são inegáveis.
    Alguém aí pra cima falou em leite Glória em alusão à fragilidade do carro. Pergunte aos donos de empresas de telefonia ou TV a cabo se isso é verdade. Nunca vi gente mais tosca e mão de pau que essa dirigindo um carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. jackie chan08/02/12 15:32

      Leite glória em caso de batida, deve ser. Pois mecanicamente é um dos que menos dão problemas no mercado nacional, justamente por ser muito "maduro".

      Excluir
    2. jackie chan08/02/12 15:34

      Ops, que incoerência a minha, deve ser a senilidade...

      Excluir
  28. CMF,
    Levantar roda dianteira por causa de barra estabilizadora é algo que nunca consegui. Pensei que fosse falar da frente assentar mais por não ter a barra, da traseira se soltar mais fácil, mas isso aí é novidade para mim.
    Quanto a outras características do Celta, por pior que ele seja ainda é um carrinho leve, talvez por isso seja tão usado em preparações mais simples, principalmente de rua. Acaba trazendo bons resultados mas somente em arrancadas curtas ou trechos sinuosos, a não ser que o câmbio seja alterado (trocar diferencial de Celta já é quase regra em alguns casos). Também há alguns bons exemplos em track days, só procurar, mas não é tão comum.

    ResponderExcluir
  29. Ignoro que bebidas foram ingeridas na autoria deste artigo, mas depois de ser infligido com um Celta pela Avis, dias depois, após minha reclamações do pior carro que jamais dirigi em 25 anos de carteira, achei o Gol que o substituiu um vinho corposo do vale do Reno depois de 5 dias bebendo água de roupa suja de Detroit.

    O Celta não acelera absolutamente nada. Mesmo remando as marchas e usando o acelerados de forma binária (tirando o pé ou o socando no assoalho), o carro fazia muito barulho e se movimentava pouco. E que cruz trocar as marchas nesta porcaria! Câmbio impreciso e porcamente sincronizado, recusando mesmo gentis reduções de 5a para 4a marcha, e de vez em quando arranhando porque, devido a sua imprecisão, ao invés de 4a, a ré é que estava sendo selecionada (ou seja, além de não ter nenhum dispositivo na alavanca para se evitar isto, nem o câmbio possuía nenhum internamente).

    Na verdade, o carro é tão lento na estrada que o considero tão perigoso como uma moto 125cc com carona: o tráfego atual, com uma frota de caminhões e carros renovada e mais moderna, exclui uma porcaria como o Celta.

    Ou seja, não consigo entender a miséria humana que faz alguém comprar uma droga de carro como o Celta porque é novo enquanto que pelo mesmo preço há carros usado muito melhores disponíveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse Augustine é tão chato que o carro o reconheceu e deu o troco, uauauauauauauauauaua !!!!!!!

      Excluir
    2. Ou o carro que você dirigiu não era um Celta ou então o Celta que jogaram na mão era o refugo dos refugos. Só queria entender como é que se consegue engatar a ré numa redução de 5a para 4a. A ré fica ao lado da 1a! E existe um anel trava.
      PS) O Celta não tem nadinha de Detroit, só a gravata. É um Opel a não ser pelo formato da casca que é brasileiro.

      Excluir
    3. Augustine, vc tá bêbado, tá confundindo câmbio de Gol com câmbio de Celta, hehehehe...

      Excluir
    4. Realmente, a ré é ao lado da 1a. com anel-trava.

      Excluir
    5. Concedo que os tenha confundido quanto qual carro não protegia a ré, mas o fato de que o Celta me deu calafrios descendo a serra da Fernão Dias quando não pude reduzir para a 4a marcha por várias vezes, mesmo tentando reduzir como num caminhão. Já vi carros terem problemas com reduções para marchas mais curtas, mas nunce de 5a para 4a.

      Ah, sim. O motor do Celta também era irregular em baixas rotações com álcool, o que o tornava intratável me trânsito pesado.

      Um mundo sem Celta seria um mundo melhor.

      Excluir
    6. É, Augustine... realmente te soltaram uma jaca na mão pois o acionamento desse câmbio é correto sendo o único defeito o curso longo da alavanca.

      Excluir
    7. Já aluguei carro nesta locadora citada com 3 anos de uso e quase 90.000 km. Desconsidero avaliar um carro neste estado lastimável. Fazia barulho a dar com o pau, pneus desbalanceados, não inspirava segurança nenhuma.

      Excluir
  30. O KA 1.6 XR - Ja é um Pocket Rocket e tem uma tocada de Kart

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não tive o prazer de dirigir um, mas já me falaram da fama dele.

      Excluir
  31. Concordo com o texto em tudo,pricipalmente na primeira parte.
    e tbm concordo com o pessoal que o Ka Xr / Action são fantasticos como brinquedos divertidos. ainda mais com umas pimentinhas,comando,filtro,escape,taxa,volante aliviado, etc....
    pra não falar num 1.6 Rocam Turbo que é fora do comum.

    ResponderExcluir
  32. É isso aí, o que sobrou para autoentusiasta brasileiro admirar é o Celta!
    Outro dia desse no Jalop nacional, nos comentários de um posto, cogitou-se indicar carros que expressem o carro brasileiro.
    Pensei logo no Celta. O carro que exprime tudo de ruim que nos vendem por aqui: acabamento porco, plataforma velha, inseguro, caro... e agora vou colocar divertido na lista.
    Há anos a GM não apresentava um produto decente sequer. Nos últimos anos ela importou o captiva, camaro e agora tem o Cruze. Tirando esses três e o omega australiano eu não compraria nenhum outro carro GM. Só de raiva não compro nenhum mesmo para protestar contra a falta de respeito com o consumidor brasileiro.

    ResponderExcluir
  33. Carlos maurício Farjoun

    Admiro sua coragem em escrever um post desses elogiando o que um carro tão malfadado tem de bom. E é tudo verdade isso, quem nega é porque não conhece ou não sabe lidar.

    ResponderExcluir
  34. Celta tem um bom motor 1.0 - berra demais e é desconfortável em viagem - mas é bom.

    Agora falta o resto do carro...

    ResponderExcluir
  35. Se eu pegar um caixote de madeira, colocar quatro rodas nele e descer de uma ribanceira, vai ser muito divertido também.
    Mas nem por isso um caixote de madeira com quatro rodas é um carro...

    ResponderExcluir
  36. Êpa, Celta enaltecido no AE? Peri alguma coisa em algum lugar.

    ResponderExcluir
  37. Milton Rubinho08/02/12 17:55

    Bom, uma sugestao aos presentes de alguem que tem Blue Macaw 2001 pre-VHC:

    Da para se melhorar ainda mais o handling de um Celta. E de uma forma simples que da gosto. So usar os 3 patetas(leia-se neuronios), e nem precisa de Toyo Proxes 185 como alguem disse ai em cima.

    O Celta e um carro leve. Dado isso, ja eh pelo menos interessante em contornos e freadas. Andei no Regularidade e sei do que estou dizendo.

    Com barra estabilizadora do corsa + Pneus de medida original mas "de grife"(no minimo uns Pirelli Cinturato P4) + Rodas aro 13 mesmo com tala pouco mais larga e offset um pouco mais "para fora" consegue-se um veiculo bem mais interessante.Junte a isso uns discos ventilados e tem-se uma melhoria ainda maior.

    E, no fim das contas, gostei muito do que foi dito sobre o motor, mesmo sabendo que, por exemplo, meu "valente celtinha" nao eh nada alem de um "workhorse", e ponto.

    Nao exijo luxos dele, mas a "espartanidade" do veiculo traz peso baixo e descomplicacoes na manutencao, e ai o fator "Valor de Revenda" se exalta.
    Muitos reparos pequenos em um Celta conseguem ser feitos em casa com um pouco de habilidade e ferramentas. Alem disso, como disseram acima, esses carros sao "highlanders".

    Porem, quer conforto e luxo em 1.0? Se prepare para andar de Fiesta e bancar o Fred Flintstone em qualquer subida. Andei por muito tempo em um Fiesta Sedan 1.0 e eu me ESFORCAVA para tomar multas, mas nao conseguia.

    PS: E bem que podiam fazer um 1.4 ECONOflex com cambio mais longo e drivetrain de Prisma(Aro 14, freios ventilados, etc).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só tiraria a barra estabilizadora do pacote. Estou tão acostumado com saídas de frente que tiram o prazer de uma tocada mais esportiva, que qualquer coisa que ajude a minimizar isso ou deixar a traseira mais solta é bem-vinda.

      Excluir
    2. Milton, espero que no próximo Rali tenhamos pista seca. Na chuva tropical ficou um pouco perigoso andar "junto", apesar que uma hora tu incorporou Ayrton na reta. Colasse na traseira do Uninho. Sorte que ele é branco! rs Até a próxima.

      Excluir
  38. A contradição do post publicado em relação à proposta do blog é quase ofensiva.
    Assumir que um carro ultrapassado, de qualidade construtiva e de segurança inferiores, é divertido, só por causa de um motor de alta especificação falsamente ajudado por uma relação de marchas curtissímas e baixo peso às custas de material fonoabsorvente e até mesmo mecanismos de proteção não faz sentido algum.
    o AE diz: Carro de entusiasta deve ter boa ergonomia(o Celta não tem), relações de marcha adequadas(não tem), boa relação custo/benefício(não tem)...
    "Mas o CMF disse que o Celta continua sendo um carro ruim, porém é divertido." vão me dizer. De qualquer maneira perdeu-se o sentido do carro. O Celta foi concebido como carro barato(será que é barato mesmo?), fruto de reciclagem de plataforma, e destina-se a ser um meio de transporte e a intenção da GM é que gere lucro, e quanto mais melhor, mesmo que seja através de simplificação de seu produto. Ninguém vai até uma concessionária da GM para admirar um Celta.
    Não é um carro que foi criado para ser o melhor que pudesse ser, é apenas um produto da indústria automobilistica brasileira, inseguro, defasado e caro, que gera lucros impublicáveis, e é oferecido para consumidores ainda imaturos com relação ao seu poder de pesquisa e barganha. Enquanto houver procura, haverá oferta.

    Juan Caeso

    ResponderExcluir
  39. Então eu não estava maluco quando tinha o meu VHC e achava que arrancava junto com Focus antigo 1.6....

    ResponderExcluir
  40. O Mille Fire 2 portas original tem 820kg e 65/66cv o que resulta em 12,4kg/cv, a última vez que pesei o meu durante um Track day ele estava pesando 770kg 11,6kg/cv devido à redução de peso.
    Apezar de estar montando outro Uno com motorização maior (1,9l 16v) o Mille é um carro divertido e barato para rodar nos Track days.
    Para quem quiser conferir tem vídeos dele no meu canal do Youtube:http://www.youtube.com/user/FlavioFraga?feature=mhee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse teu Mille é um caso bem à parte, já se tornou famoso pelo que consegue fazer. De qualquer forma, até Gol 1000 tem potencial, é só saber explorar, o que não acontece muito.
      E quanto a track days, se eu não estourar cabeçote de novo ou ser despachado para o meio de Goiás, estarei no próximo, terminando de destruir meus freios.

      Excluir
    2. A questão é que aí ele privilegia o conforto em vez do desempenho. Vamos e venhamos, quem gosta de conforto foge destes pequenos fabricados aqui... O que me surpreendeu no Celta é justamente ele ter um desempenho diferente do que se espera de um "mil". O Mille já cai mais dentro da proposta.

      Excluir
  41. Flavio. M. S. Bezerra08/02/12 18:48

    O Celta é super legal.

    Agora os "autoentusiastas" vem aqui coroar nosso atraso com carros de terceira e caríssimos querendo nos convencer de que são modelos entusiásticos.

    Um Peugeot 105 - bem mais antigo - dá um cacete no Celta em prazer de dirigir... fora o resto...

    ResponderExcluir
  42. Rubinho,
    "Da para se melhorar ainda mais o handling de um Celta..."

    Já dirigiu um Ka?
    Então não me venha com essa conversa de handling...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1º: Lá vem os ANÔNIMOS, que dão vontade de pegar um gato morto e bater nos cabras até o gato miar... ou o pulha falar o nome. Digo e repito: Falo besteira, mas falo meu nome.

      2º: Bom Handling SIM! O carro freia bem e vira bem, e só não acelera razoavelmente bem devido à anemia "pré-VHC"... Se quiser conferir, apareça dia 04 de Março em Interlagos...
      (PS: Apesar de que, se o sujeito sequer tem a coragem de se identificar num post de internet, certamente não seria corajoso o suficiente para aparecer num autodromo e falar "Oi, sou o ANÔNIMO" do blog, etc"... )

      Excluir
  43. deve ser fantástico mesmo.
    tem até clube do celta!

    olha só,
    vivem criticando a postura da indústria e dos consumidores "desinformados" e agora vem com esse post?

    2012 mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em momento algum eu digo que o carro é bom ou que gosto dele. Apenas descobri uma faceta que eu desconhecia de um carro que, como cansamos de dizer aqui e eu repito no post, é depenado, ultrapassado, apertado e sem segurança passiva nenhuma, inaceitável em qualquer mercado maduro.

      Excluir
    2. Inaceitável você diz.
      Que não tem segurança passiva, mas ao mesmo tempo sugere que se instale um motor mais potente, ao invés de pocket rocket porque não chamar de cadeira elétrica?
      A GM deveria fazer mesmo uma versão esportiva da carroça?
      O AE tem forte influência como formador de opinião de milhares de leitores diários. Nada mais justo premiá-los com um post mais maduro e bem formulado.
      Boa sorte, desejo mais inspiração e responsabilidade no seu próximo post, se houver.

      Juan Caeso

      Excluir
    3. Juan Caeso
      Essa cadeira elétrica aí que você diz existe. Seu nome é Prisma.

      Excluir
  44. Alexandre - BH -08/02/12 19:26

    Farjoun,

    Não vou fazer mais nenhum “elogio” pro Celta, coitado, pois ele já ganhou o que merece. O bichinho até que melhorou um pouco no acabamento, mas os primeiros lembravam um Gordini Teimoso, de tão espartanos. Então, o que leva um sujeito – eu, inclusive – a ter um carro desse na garagem? No meu caso, fiz uma escolha racional. Precisava de uma "condução" pro dia a dia, ágil no trânsito, fácil de estacionar, com seguro em conta e, principalmente, de manutenção rápida e barata. Num raio de dois quilômetros da minha casa posso optar por uma concessionária, duas autopeças especializadas Chevrolet e um desmanche só com carros da marca. Não pensei duas vezes e comprei um Celta 1.4, que vem com o “moderníssimo” disco ventilado... Um tanto chateado, abri mão do conforto, mas não da força do motor. Numa cidade cheia de ladeiras, feito BH, carrinhos de 50, 60 cv passam maus momentos (de quebra, me divirto com motoristas apressadinhos, que subestimam a arrancada da “codorna”!). Mesmo defasado, apertado e franciscano, o Celta vem cumprindo muito bem o seu papel.

    ResponderExcluir
  45. Concordo com a maioria, o Celta é um dos carros mais ordinários em linha do país....

    Cabine acanhada, caixa de roda que invade o habitáculo te obrigando a dirigir com a perna esquerda encolhida (pelo menos eu que tenho 1.80m), câmbio impreciso e borrachudo, comportamento dinâmico bem aquém do esperado (o autor devia dirigir um Clio ou Ka), acabamento interno bem safado (nisso o Gol GIV empata), baixa rigidez torcional (faça o teste do pregador com ele em uma valeta), relação de câmbio / diferencial extremamente curta, chega a irritar, direção imprecisa, enfim.... só anda bem e tem um consumo bom... não sou fã de Fiat, mas o Uno dá de dez no Celta.

    Minha esposa têm um Fiesta Street 1.0 2005 (Fiesta antigo, última safra) e eu ano passado em outra empresa que eu trabalhava, rodava com um ordinário Celta VHC...... o Fiesta é muuuuito superior em tudo, exceto desempenho.... dirigibilidade nota dez, ergonomia nota dez, bom acabamento, motor parrudo e robusto, câmbio gostoso, só a direção é um pouco pesada demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gonzalez, fiquei boiando no teste do pregador, pode explicar? Obrigado desde já.

      Excluir
    2. Em carros de plataforma GM4200 (Corsa B, Celta, Prisma e Agile) não é preciso ser alto para ficar com as pernas encolhidas. Basta que seu fêmur seja um pouco mais longo, independente de sua altura, que o resto da perna vai lá para frente e até alguém com menos de 1,70 m (que é meu caso, e tive um Corsa B) fica com a tal obrigação de dobrar a perna esquerda (que de qualquer maneira vai ficar mal acomodada por não haver um legítimo "quarto pedal").
      Vale lembrar que esse lance do comprimento do fêmur acaba importando um bocado em carros de tal plataforma, pois conheço gente que teve Corsa B, tinha quase 1,90 m e não sentia a perna tão mal acomodada, pois o fêmur era curto e a própria altura da pessoa (provavelmente aqui pensando em tíbias e perônios longos) forçava a jogar o banco para trás e mudava a angulação da perna.

      De qualquer maneira, estamos falando de um carro que praticamente te obriga a ter as pernas e os braços de um determinado comprimento e uma certa proporcionalidade entre os ossos que os compõem para que você esteja corretamente acomodado, ainda mais que fora as caixas de roda protuberantes, no Celta e no Corsa B inexiste a possibilidade de regular a coluna de direção (no máximo havendo regulagem opcional de altura, que mesmo em seu ponto baixo é alta e no máximo serve para pessoas realmente baixas ficarem em uma posição mais adequada no banco.

      Excluir
  46. Lamento, mas não tenho como concordar com o autor. O Celta é provavelmente o pior carro do Brasil. E digo com propriedade, pois já tive Celta 2p 1.4.

    O carro é ruim de curva, esfrega a frente com facilidade impar(assim como a maioria dos GM), tem rolling acentuado mesmo c/ calibragem dura, calibragem que faz o carro negociar mal com o piso, tem direção imprecisa(e volante torto, rs...), os freios tem modulação precária, a cabine esquenta com o calor que proveniente do tunel, a embreagem tem funcionamento áspero, a transmissão é ruidosa(isolamento acústico precário na cabine) e a carroceria exige baixíssima rigidez torcional(sequer precisa de ensaio, o motorista atento consegue senti-lá torcer).

    Quando eu comprei o carro em 2005 achei que estava fazendo um grande negócio, adquirindo algo ligeiramente parecido com um "pocket rocket", uma vez eram 85cv para aprox 830kg. 9,76kg/cv. A verdade é que o carro apenas acelerava bem, todo o resto foi pura decepção.
    Na linha GM, deveria ter ouvido os conselhos que me deram e ter comprado um Classic 1.0.

    Dentre os outros 1.0, deveria ter comprado um Clio, esse sim um carro agradável de conduzir.

    ResponderExcluir
  47. Não gosto da altura do banco do motorista, muito alta e o volante acaba batendo nas pernas, fora que sua cabeça fica muito perto do teto. Mas o Corsa tb é assim, parece caracteristica da marca. De resto concordo com todos os "elogios" feitos acima. Acho que dessa vez o CMF deu uma bola fora neste post.
    Abraços

    ResponderExcluir
  48. Não é por nada não, mas o melhor 1.0 do Brasil é disparado o Clio. Anda bem, é bem mais seguro que essas latas aí, é melhor acabado, enfim, é o melhor 1.0 do Brasil, ganha de todos tranquilamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por ser multiválvulas o motor não está bem aproveitado.

      Excluir
    2. Viajei com um Clio pelo Nordeste e não gostei do carro. Acredito que era 8V, me passou uma sensação de falta de potência. Fora que achei o banco baixo demais, as pernas ficam levantadas nele.

      Excluir
    3. Farjoun,

      Eu tenho um Clio 8V.
      Anda menos que o VHC, certamente, afinal tem 58cv.

      Mas uma coisa é viajar rápido. Outra é viajar tranquilo. Aprendendo o 8V dá pra viajar tranquilo. Compensa na cidade com 15km/l em sp fácil fácil, e com meus 1,84m bem tratados e sem dores ou me sentir empurrado pra dentro do painel.

      Excluir
  49. Se tem uma coisa que acho legal em carro 1,0 é descer lenha e ele ainda estar abaixo de 100 km/h em muitos casos. Mas definitivamente não é algo que eu queira fazer no cotidiano.

    O Celta é um carro que mostra bem quem é o motorista. Qualquer barbeiragem ou indelicadeza já resulta em desconforto. Como um carro de treinamento, até que é interessante.

    ResponderExcluir
  50. Se tem uma coisa que acho legal em carro 1,0 é descer lenha e ele ainda estar abaixo de 100 km/h em muitos casos. Mas definitivamente não é algo que eu queira fazer no cotidiano.

    O Celta é um carro que mostra bem quem é o motorista. Qualquer barbeiragem ou indelicadeza já resulta em desconforto. Como um carro de treinamento, até que é interessante.

    ResponderExcluir
  51. É melhor andar de Celta 0km (ou Uno) que andar de carro usado. Carro usado, com mais de 40-50 mil km é incognita!

    Daltro Bezerra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá certo então.
      Vou lá agora no meu Clio com 102.000km que tá uma manteiga só, funcionando liso e sem nhec nhec. E 15 mil mais barato que uso pra viajar pra europa com minha esposa todo ano...

      Excluir
  52. Rafael Ribeiro08/02/12 21:12

    Detalhe: O texto dize que o Celta estava com 30.000km, mas a foto do painel mostra 50.000km.

    Sobre o texto, já me expressei mais cedo, e me resta só acrescentar uma coisa: amanhã poderiam postar algo, digamos, mais "inspirador" para um entusiasta, só para compensar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro08/02/12 21:14

      Corrigindo: ...o texto diz...

      Excluir
  53. Tenho um celtinha 2006 VHC com quase 100 mil km, nunca deu problema nehum, só troca de Óleo, e correia desntada na época certa, amortecedores e molas originais. A única coisa que mudei foram os Goodyear GPS3 Sport 165/70 R13 originais naquela époica para o mesmo modelo de pneu mas com a medida 175/70 R13, apenas 1 cm a mais de largura de banda por pneu, e deu pra sentir uma diferença grande na estabilidade do carro, e por incrível que pareça o volante ficou mais leve, até mais leve que a DH do 206 SW que meu pai possui e pude guiar estes dias. Motor do Celta anda bem, é só gostar de ouvir o giro subir e principalmente gostar de cambiar, pois a relação das marchas e do diferencial pede isso, e não ter medo do motor explodir a 5.000 rpm, na volta entre Jacupiranga e Curitiba, nas Serras do Azeite e Barra do Turvo nas subidas é comum ultrapassar sedãs de luxo e SUV´s nos trechos mais sinuosos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Ribeiro09/02/12 00:03

      Principalmente quando ao volante do SUV ou sedã está uma pessoa tranquila, com uma bela mulher ao lado, ouvindo música num som Bose... E você suado, trocando aquelas marchas curtinhas.

      Excluir
    2. Boa, Rafael!!!

      Excluir
    3. Boa Rafael [x2]

      Suar em um Lotus é uma coisa. Em um Celta é babaquice...

      Excluir
    4. jackie chan09/02/12 09:24

      Sim, os motoristas de SUVs costumam frear, frear, antes de qualquer curvinha...

      Excluir
    5. Rafael eu não suo nada trocando as marchas curtinhas, nem faço esforço as trocas são suaves com a manopla pulando da minha mão e encaixando perfeitamente, mas andar a 70 km/h com um motor 2.x pra cima não mostra tranquilidade, mas sim inaptidão ao volante, em uma estrada em que se anda entre 90 e 120 km/h suavemente com as marchas reduzidas do Celta. As entradas de curvas faço com suavidade sem cantar pneu, sem sair de frente nada disso, nada como motoristas de SUV's quase se jogando enbaixo de carretas no meio das curvas por não saberem o que estão fazendo e são pessoas tranquilas como vc disse.

      Excluir
  54. Bom, que gosta realmente de carro e entende realmente e se realmente fica indignado com os preços praticados, procura-se melhores opções ou um seminovo.

    Duro é vir aqui meter o pau nas "montadoras" e "lucro brasil" e depois compactuar comprando um deles.

    Aliás, o Bob é da turma do Fernando Calmon - aquele colunista que acha o preço dos carros no Brasil normais e até convidativos, arrumando mil e um argumentos meia boca pra justificar essa posição, com cara de pseudo-intelecto-tucano paulista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De novo amigo,vc é chato em!!!!!!!!

      Excluir
    2. [Fernando Calmon follower detected]

      Excluir
    3. Amigo?

      Não sou seu amigo rapaz!
      Amigo eu sou das minhas nega...

      Excluir
  55. Tenho um Celta LT 2012 e gosto muito do carro. Acho que há um pouco de exagero quando falam que o carro é inseguro. Há poucos meses, passei num cruzamento sem cuidar (errei também...) e outro cara vinha furando o sinal: o outro carro bateu na minha lateral direita, tombei e meu carro parou com as rodas no chão, pois escorou no meio fio. Quase deu perda total, mas não sofri nada.

    Antes dele, tive um Clio 2011. Excelente carro também, mas prefiro o Celta. A estabilidade direcional do Celta em altas velocidades é melhor. No molhado, o Celta ignora poças de água, enquanto o Clio puxava bastante o volante (aqui certamente tem influência os pneus 165/70R13 GT Radial do Celta contra 185/60R14 Firehawk do Clio - ninguém da concessionária soube me explicar porque este não veio com pneus 175/65R14). O motor do Celta é melhor de baixa, embora o motor do Clio gire muito mais fácil, liso. E o Celta é mais silencioso, principalmente andando na chuva (o Celta 2012 recebeu mais revestimentos fonoabsorventes enquanto o Clio Campus foi depenado, comparando com o Authentique). Outra coisa que me agrada no Celta é a direção rápida (Tanto Celta, quanto Clio com direção hidráulica).

    Ainda não fiz longas viagens com o Celta, o máximo foram 300 km diretos depois de um dia de trabalho e não me cansei. A ergonomia dele não é perfeita, mas prefiro a posição do volante dele à do Clio, que fica um pouco alto e distante. Claro, o Clio é mais espaçoso (sobretudo em largura) e muito mais confortável.

    ResponderExcluir
  56. Tenho um Corsa Wind 99... Acho-o bem acabado para um popular, mesmo comparado com alguns carros de hoje. Mas acho que o câmbio é um pouco mal escalonado (ou falta força pro motor): para entrar de vias secundárias para vias expressas, a 3ª marcha deixa o carro chocho, e a segunda é muito curta (mas chega a uns 80km/h ao invés dos 60 dos vhc). Realmente a largura interna irrita (dependendo da pessoa do meu lado, sempre dou cotoveladas no braço do passageiro quando troco marchas).

    O bom desses carrinhos realmente é o custo benefício quando no uso urbano. O meu bebe pouco, as peças são relativamente baratas, e deu muito menos problemas mecânicos que os VWs que tivemos em casa.

    Agora, teve uma vez que tive de alugar um carro - da categoria A / Popular - por uma semana, e me deram um Palio Economy. Sabem que até gostei do carrinho?! Suspensão super macia pra andar na cidade (em curvas de alta achei muito bobo), acabamento razoável, boa altura do solo (vc se sente bem alto no transito, já no corsa me sinto no oposto), uma 3ª marcha mais curta - creio eu - que não apresentou o problema que relatei com o meu corsa no primeiro parágrafo, além de faróis duplos que iluminam muito bem mesmo!

    De negativo, achei que o espaço para as pernas dos passageiros do banco de trás pior do que no corsa, e os cintos não possuíam regulagem de altura como no meu carro.

    ResponderExcluir
  57. O QUE POSSO DIZER É QUE O CELTA É UM BAITA CARRO. BARATO, FÁCIL DE REVENDER, TODO MUNDO ACHA BONITINHO E É FLEX, O QUE ECONOMIZA UMA BOA GRANA.

    LOGO LOGO QUERO SUBIR UM NÍVEL E COMPRAR UM PRISMA.

    AÍ SIM, BOM PARA A FAMÍLIA, O PRISMA É OUTRO CARRO, MAIS LUXUOSO E ESPAÇOSO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AÍ SIM, BOM PARA A FAMÍLIA, O PRISMA É OUTRO CARRO, MAIS LUXUOSO E ESPAÇOSO.



      Onde isso???

      Excluir
    2. Realmente, o Prisma (Celta Sedan) é muito mais espaçoso que o Celta, principalmente para os passageiros do banco traseiro... kkkkk

      É cada uma que me aparece...

      Excluir
    3. Se voce costuma viajar dentro do porta malas, vai achar o prisma bem mais espaçoso em relação ao celta mesmo.

      Excluir
    4. Nossa!!! Vai sair de um carrão para outro carrão.
      Imagina o dia que você comprar um Corolla com aquele carnezão de 60 meses. Será a glória dirigir a "nave" da Toyota.

      Excluir
    5. Vai subir de nível: Do inferno para o purgatório...

      Excluir
    6. Ora Ora,

      É ASSIM QUE EU PENSO ORAS. SOU CONSUMIDOR COMUM, QUERER LEVAR VANTAGEM E NÃO TÔ NEM AÍ PRA CARRO.

      ALÉM DO MAIS, EU ASSISTO SBT E ACHO IVETE SANGALO O MÁXIMO.

      DEIXEM EU SER FELIZ DENTRO DO MEU CHEVROLET!

      Excluir
    7. Não entendi o que faz uma pessoa que não está nem aí para carro frequentar um blog chamado Autoentusiastas...

      Excluir
    8. EU GOSTO DE CARRO.
      MINHA MULHER GOSTA.

      CARRO TEM QUE TER IMAGEM, PRESENÇA.
      O PRISMA É O CARRO QUE PRESENÇA E QUE EU POSSO COMPRAR.

      Excluir
  58. Prisma é outro carro? É mais espaçoso? Só se for para quem é mala. rs

    Sem falar que Celta 4 portas a coluna do cinto de segurança fica encostada no meu ombro. A largura é terrível. Fora o volante ultra duro mesmo com pneu linguiça.

    ResponderExcluir
  59. Se eu tivesse uma frota com certeza só teria Celta 2p sem AC e sem DH. Agora economizar todos queremos, ninguém quer rasgar nota de R$ 100,00, mas para meu uso próprio Celta está fora de cogitação. Acho que mereço um pouco mais que isso.

    ResponderExcluir
  60. O Celta é o apice da mediocridade que a nossa industria automobilistica vive, para mim pouco adianta se fizeram avanços no motor, olha que estrair 78cv num 1.0 é muito bom, mas se a evolução no conjunto como um todo não acompanha esse desenvolvimento... Já viajei com o de um amigo meu, o carro tem a ergonomia de um trator, comparo com a de um gol, eu sabia que a plataforma do Celta era baseada na do Corsa, mas não sabia que a do Corsa era baseada na do antecessor dos anos 80... Pq eu ando com umas ideias de ressucitar um Escort XR3?? Antigomobilismo é beeem mais divertido....

    ResponderExcluir
  61. Bom, os especialistas dizem que se deve "vestir" o carro como se veste a própria roupa. E eu odeio roupa apertada. Se tivesse de ir trabalhar de carro - e portanto precisasse de um 1.0 novo - minha 1ª escolha seria o Mille e a segunda o Clio - que não é nenhuma beleza mas não se arrasta como a opçao mais adequada ao meu gosto "espaçoso", que é a dupla Sandero / Logan, carros muito pesados para um motor 1.0. Daí em diante, só veículos usados, 1.3 ou 1.4.

    ResponderExcluir
  62. Vou escrever pq conheço bem esse carro.
    Após um sinistro, a minha seguradora disponibilizou um Celta, com "ar", "dh", "ve", "te" e alarme, por exato 01 mês.
    Para os pequenos trechos urbanos o carro é aceitável, pois, conforme narra o texto, ele arranca bem e acompanha o fluxo de trânsito sem problemas.
    Nas pequenas viagens - tipo 50km, no máximo - também é aceitável, pelos mesmos motivos citados anteriormente.
    Porém, tive que fazer uma viagem de seis horas - 3 para ir, e 3 para voltar. Que martírio!
    Definitivamente, BOB, o banco estava na distância correta e eu cansei bastante.
    O volante é deslocado, os pedais também (Bob Sharp não concorda com isso; mas, é verdade), o nível de ruído a 120km/h é elevado e a falta da barra estabilizadora se faz notar. Claro, o ruído ainda é agravado pelos inúmeros plásticos que rangem e batem. O encosto do banco é estreito, com o tempo as suas costas ficam doendo. O apoio de cabeça é fixo e o carro sofre com ventos laterais provocados por caminhões. Não bastasse isso, a potência máxima só é obtida com o giro quase no limite, então para andar bem, bem mesmo, você tem que pisar e o carro deixa de ser econômico.
    Resultado: o carro massacra o motorista nas viagens longas.
    Onde está a diversão nisso? Já sei. Talvez o autor do tópico goste de rali, seja como piloto ou navegador e quando desce do carro gosta de sentir o prazer de ouvir as juntas dos ossos estalando e de esticar a coluna.
    Definitivamente esse não é o meu caso. O carro tem que me deixar confortável o tempo todo.
    O meu receio, após esse tópico, é que aumente o número de “manolos” que possam acreditar que o Celta é um puro sangue esportivo. Quando, na verdade, a falta dos pesados “reforços estruturais de segurança” só tornam o carro uma máquina quase perfeita para matar ou para incapacitar.
    Por fim, eu diria que seu o Carlos Mauricio Farjoun gostou do Celta e o do seu “potente” motor, deveria ele experimentar o Renault Clio 1.0, 16v. É muito mais divertido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passei por tudo isso que você descreveu.

      E me assustei um bocado com o corte de giros em 3a a menos de 100 km/h, na hora de ultrapassar algum caminhão. Demorei a me acostumar que as coisas têm que ser resolvidas de 4a marcha.

      Pra piorar o carro que eu aluguei ainda tinha uma rebarba bizarra no acabamento da porta, na posição natural que o cotovelo repousa quando se dirige por uma longa reta.

      Resultado, além de ter chegado todo torto e cansado, cortei o cotovelo.

      Excluir
  63. Prezado Carlos Mauricio Farjoun

    Seu texto reflete um ponto de vista seu sobre o veiculo e aqui cabe a todos nós concordarmos sim ou não com este ponto de vista.

    Seu artigo entretanto compara a relação peso/potencia do Celta com veiculos tido como "icones de desempenho no passado", e atesta que "Os ícones de desempenho do passado têm relações peso-potência semelhantes ao do Celtinha!"

    Esta afirmação contudo, da maneira como foi colocada carece de TODOS os fundamentos técnicos pois passa-se a sensação que a pessoa que dirigir um Celta terá no pé direito a mesma sensação ao volante que teria um motorista de um Passat TS 1.6L ou um Maverick GT ou um Opala!

    Você ignorou algo básico que consiste na potência disponivel versus as RPMS do motor: Enquanto um Opala tem os seus 130cv (etanol) disponiveis a baixos 4.000 rpms, o Celta terá is seus 78cv em elevados 6.000 rpms, tendo portanto uma faixa de rotação de trabalho extremamente elevada para apresentar sua potencia máxima. Ou seja, a 3000rpms (rotação que quase todo mundo usa um carro - e que o motor trabalha com uma suavidade, sem "gritar" pedindo marcha), os 78cv nao serão 78cv. Serão muitissimo menos do que se teria em por exemplo, em um VW Fusca e seus 57cv no Etanol (liquidos) a apenas 4200rpms. Ou um Passat TS 1.6 e seus 76cv a 5200rpms. trocando em miudos, a curva de potencia é muito mais favorável para conduzir um Passat, um Fusca ou um Opala do que um Celta de 78cv a altissimas 6000rpms (parecendo motor de motocicleta de alto desempenho)

    O melhor exemplo desse comentário meu acima pode ser feito dirigindo-se um Gol a ar bem regulado e motor 1.6 e um Gol a água, AP1.6 da mesma época. O Gol boxer (57cv@4200rpm) parece acelerar com muitissimo mais vigor do que o AP (76cv@5200rpm), embora em final, o AP abra larga vantagem. Embora esta observação seja original do Best Cars, eu TIVE A OPORTUNIDADE de fazer o teste e constatar que é verdade sim!

    É a minha critica. Apresentar numeros de peso potencia unicamente não significa absolutamente nada sozinho. Precisa ser complementado de maiores informações, e estes numeros se apresentados deixará o Celtinha em desvantagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo R.09/02/12 06:50

      É vero! Eu já passei um mês com um Gol boxer 1.6, e o bicho é realmente muito gostoso de dirigir. O carro não é nenhum foguete. Mas, a agilidade e as arrancadas dele, em trânsito urbano impressionam de verdade.

      Excluir
    2. Daniel,
      Daqui a pouco os "entusiastas" vão vir aqui dizer que um Celta é igual um Lotus Elise pela relação peso potência, ficarão tão deslumbrados que correrão na Localiza Seminovos com um com baixa quilometragem - mas com ar! - na cor prata e sair por aí se achando o Schumacher...

      Não dá idéia não...

      Excluir
    3. Concordo com seu ponto de vista, o Peso-Potência dada diz sobre o comportamento geral do carro.

      Mas na prática funciona para medir a aceleração numa arrancada sim. O Celta pode arrancar junto com um Diplomata ou Passat TS. E só. De resto, para acompanhar o que eles fazem com tranquilidade, ele tem que ser "pilotado" o tempo todo, para manter o giro sempre acima de 4000 rpm, ficando assim na faixa de potência do pequeno 1 litro.

      Excluir
  64. Mas não é só o Celta que acho sofrível não. Fiquei uns tempos com uma Pajero TR4 4x4 aut. Câmbio horrível, parece das BMW do começo da década de 90 que só patina e não anda. Mas acho que o pior é a posição de dirigir desse carro. Como alguém gosta disso. Terrível. O joelho fica batendo no puxador da porta. Resumindo a sensação é de que o carro é torto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E esqueci de falar. Ainda é um carro caro e não é off road nem aqui e nem na China. Aliás, acho que off mesmo atualmente só Troller.

      Excluir
    2. Fora que ela bebe um combustivel lascado...

      Excluir
    3. TR4 é uma carrocinha também...
      se é pra brincar na terra prefiro pagar menos em um Jimny...

      Excluir
  65. Celta na Argentina é vendido com o motor 1.4 Econoflex de 97 cv.. Basta a GMB colocar uns adesivinhos, tecidos de bancos, 8k a mais no preço e já era ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, lá o Celta é 1,4, mas não é flex. Lá ele tem 92 cv (gasolina sem álcool). Não duvido que seja mais econômico que o nosso...

      Excluir
  66. Eu considero o Celta/Prisma um dos piores carros que nós temos atualmente. Ergonomia ruim, mecânica ultrapassadíssima, interior pé duríssimo a lá Brasil, apertado e muito mal acabado, duro, direção e cambio imprecisos, pouca durabilidade em geral principalmente do motor, barulhento e beberrão.

    A única "vantagem" digamos neste carro é o preço e nada além disso.

    Que perda de tempo gastar os dedos no teclando sobre esse "carro".

    ResponderExcluir
  67. Vende bem e é o que menos desvaloriza.
    Usei um celta 2009 durante 1 ano, pouco espaço interno, câmbio muito curto, não me cansei tanto em viagens longas, não tive problema com engate de marchas nem "redução de 5ª para 4ª", acho que por ter uma boa potência para 1.0 e um câmbio super curto muita gente já deve ter ficado com raiva desse carrinho.
    Vejo alguns relando problemas e querendo transformar em defeito de fábrica.
    No que se propõe é um bom carrinho.

    ResponderExcluir
  68. Aléssio Marinho09/02/12 01:42

    Tive um Celta, 2001 da primeira safra com ar condicionado. Havia vindo de um Corsa Hatch 1.6.
    Tudo que eu reclamava do Corsa - falta de espaço para a perna esquerda, volante baixo, direção pesada, comando de câmbio ruidoso e com sincrozinação ineficiente na 1ª, estavam presentes ali, numa embalagem empobrecida e que me obrigava a guiar o carro apenas de calça, pois o puxador das portas fazia depilação...
    Pelo menos a frente quicava menos que a do Corsa.
    Vendi o carro 2 anos depois e fui para um Fiesta Basicão, que se arrastava na estrada, mas pelo menos era mais bem amigável em todos os aspectos.
    Anos depois, precisando comprar um carro novo, considerei comprar outro Celta. Mas andei no VCH e detestei. Tudo que havia passado com o 2001 veio na lembrança e com o agravante de agora ser mais barulhento que o antigo 60 cv com transmissão F-15, a mais alongado que houve no Celta e que o tornava um carro mais aceitável para pegar uma estrada.
    Esse VHC-E de 1+4 da F-18 (???) (1ª crawler - super reduzida) torna o carro impraticável de ser usado em rodovias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aléssio, a relação final de 5a do câmbio F-15 close ratio com diferencial 4,31:1 dá a mesma coisa que a 5a do câmbio F-17 wide ratio(não F-18) e diferencial 4,87:1, ou seja, 27km/h a cada 1000rpm. Em rodovias dá no mesmo. O problema dessa F-17 são as três primeiras marchas curtas em demasia. Como disse o Farjoun, mexeram no motor e mantiveram o câmbio. Seria um carro muito mais civilizado se voltassem a utilizar a caixa F-13 dos antigos Corsa Wind até 96. E o desempenho não sairia tão prejudicado.
      FVG

      Excluir
  69. Antonio Filho,
    "A única "vantagem" digamos neste carro é o preço e nada além disso."

    A coisa anda tão feia que tem gente se convencendo de que é assim mesmo, são carros baratos (!)

    Relaxaram tanto que fazem o público aceitar essa estupidez tranquilamente, assim como as técnicas usadas pela iurd. Carros começam a ficar descentes no Brasil a partir dos 55/60 mil. O resto é enganação pelo que custam.

    Exceto, claro, para o Fernando Calmon.

    ResponderExcluir
  70. Gostar ou não de uma coisa não segue necessariamente parâmetros racionais. Vejo muitos posts aqui sobre carros antigos, mal construídos, mal acabados. Alguém acha que um carro dos anos 50, 60 se compara com algum de hoje? O Celta é muito bom sim, porém tem dois defeitos, um é o câmbio excessivamente curto que o prejudica nas rodovias, outro é o preço, pois pelo seu nível de acabamento deveria custar menos. De resto, está dentro da proposta de ser um carro simples. E nessa categoria manda bem.
    Segurança passiva... chega dessa conversa, vai. O carro é de projeto antigo, como se sairia bem nos testes? Além disso eu faço seguro esperando e agindo de maneira a nunca usar, da mesma maneira, espero e ajo de modo a não bater. A melhor segurança é a ativa. Aprimorar as habilidades, a educação, a cultura é muito mais eficiente do que uma barra protetora ou um air-bag.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessa lógica, seria impossível gostar de um Fusca ou de um Uno (antigo) e sabemos que esses carros tem admiradores.

      Excluir
  71. Esse post tá me lembrando aquele do Felipe Bitu detonando os Polara.

    Lembra aquele do Bob ressaltando todo o entusiasmo pilotando um Agile.

    ResponderExcluir
  72. Muito bom ver a turma aqui revoltada com o Celta e com o mercado nacional. É por aí mesmo, com a indignação, que começaremos a formar um mercado mais maduro e exigente que não aceita essas carroças ultrapassadas, inadequadas e inseguras. Agora só falta o povo se recusar a comprá-los, aí os fabricantes serão obrigados a oferecer algo melhor. Eu mesmo sou um grande crítico da postura da indústria nacional, me recuso a comprar 0 km, acho indecentes os preços praticados no Brasil, só compro carros usados com mais que 3 anos de uso, devidamente depreciados e depois de minuciosa procura.

    O ponto principal não foi falar bem do Celta e nem enaltecê-lo, tanto que na primeira parte do post eu malho bastante o carro. Foi mostrar que tudo tem dois lados, nada é 100% bom ou 100% ruim. No meio de tanto desconforto, achei uma diversão. Um Palio seria menos desconfortável, mas seria menos divertido.

    Fusca, como carro, é horroroso e inaceitável? Claro que é. Mas que outro CARRO (esquecendo SUV e 4x4) encara tão bem uma estrada de terra quanto ele, custando preço de pinga? Tanto que muita gente que tem sítio ou fazenda tem um Fusca guardado lá justamente para circular pela região.

    Estive recentemente nos EUA e aluguei um Versa, que aqui é vendido como Tiida Hatch. Por lá, é o que tinha de mais simples. É incomparavelmente melhor que o Celta, e isso deveria envergonhar-nos. Motor de 1,6 litro, câmbio automático, airbags, plataforma moderna (a mesma do Clio lançado na Europa em 2006 e que nós nem vimos a cor por aqui, onde continuam empurrando o antigo Clio de 1998, reciclado pra fazer o Symbol), ar condicionado, direção servoassistida, isso é o carro básico deles. Aqui no Brasil tem locadora chamando Polo Sedan de Full-Size!!! Brincadeira, né? Mas se brasileiro compra carro pelado, de plataforma antiga, sem airbags pagando mais de 30.000 reais só porque tem ar-condicionado e direção hidráulica (dando 15.000 de entrada e financiando o resto em 36x a juros de 2% ao mês), então pra que oferecer algo melhor neste preço? O fabricante fica satisfeito, o banco fica satisfeito e o consumidor acha que fez bom negócio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso. Se tivéssemos Tiida a preço de Celta básico e Celta com o preço lá embaixo, adoraríamos o Celta. O problema então não é o carro que, se encarado como produto de uma época, é muito competente, e sim o fabricante (ajudado pelo conformismo do brasileiro). Como até o Fusca tem seu espaço, o Celta também tem. O difícil é engolí-lo como de segmento superior, aí sim acho o carro uma droga. O pessoal avaliou mais a realidade do mercado do que o carro em si.

      Excluir
    2. jackie chan09/02/12 09:47

      Concordo plenamente, eu também só compro carro usado. Não que eu o faça com frequência.

      Excluir
    3. Concordo plenamente.

      Só o Bob e a turma do Calmon que não enxergam isso.
      É intrigante a passividade do Bob no assunto. Ele martela tanto no caos da CET-SP e nunca tocou nesse assunto dos preços por aqui.

      Excluir
    4. Parodiando a propaganda megalomaníaca da Hyundai, "o Fusca é o carro mais legal... DO MUUUNNDO". É uma merda, mas é legal.

      Agora falando sério, se fosse comprar um 0km hoje, sem dúvida alguma seria o Versa S incluindo o ar condicionado, sairia por R$ 38000, ou nesse mesmo valor, um Sentra usado, e mandaria essa indústria nacional às favas.

      Deve ser por isso que a dona Dilma está indignada.

      Excluir
    5. Jesiel
      Só dois tipos de comprador de automóvel, os que fazem questão de que seja zero-quilômetro e os que não. Sou do primeiro grupo. A melhor marca de automóvel é zero-km.

      Excluir
    6. Rafael Ribeiro09/02/12 12:00

      O Fusca só pode ser considerado horroroso e inaceitável fora de sua época. É um projeto de 70 anos que até a década de 60 (trinta anos após) ainda era uma opção muito interessante em seu nicho de mercado, coisa que o Celta nunca foi em qualquer época. Talvez o Uno seja o mais próximo exemplo de um carro que hoje está ultrapassado, mas foi muito interessante durante vários anos.

      Excluir
    7. A Fev 9 04:36
      Para início de conversa, automóvel não é gênero de primeira necessidade. Depois, é público e notório o "custo Brasil" em tudo o que se consome e os automóveis não poderiam fugir à regra. Um cheeseburger do McDonald's daqui custa 350% mais que nos EUA, o preço do nosso quilowatt·hora é o dobro do cobrado nos principais países, temos 13º salário, encargos sociais elevadíssimos. Teceiro, como o próprio Carlos Maurício Farjoun bem disse dias atrás em seu post sobre a redução do preço do new Fiesta, preço final de qualquer produto é quanto o consumidor quer e pode pagar. Portanto, não cabe atacar a indústria automobilística pelo fato de os carros serem muito mais caros do que em outros países se o mercado aceita esses preços. Muito menos criticar o lucro, a finalidade de qualquer negócio. O banco Itaú acabou de fechar balanço com lucro de R$ 14 bilhões dentro das regras do setor. Se o governo aceita que cobrem 180% ao ano de juros no cheque especial e pessoas usam esse crédito, a culpa é do banco? E as centenas de milhares de empregos nas diversas atividades não contam? Em dezembro a indústria automobilística contabilizava 145.134 empregos, todos diretos. Poranto, devagar com o andor que o santo é de barro. O problema do Brasil é conjuntural, temos um parque industrial sólido o qual não nos (me)cabe criticar nervosamente. Não tem nada de passividade minha nessa história.

      Excluir
  73. Eu acho Celta bem melhor que Palio, Ka, Mille e Gol G4, dentre os carros em que já viajei por muito tempo.

    ResponderExcluir
  74. E mais, acho que a maioria aqui que fala tão mal assim do Celta, primeiramente está exagerando muito e provavelmente muitos nem sequer tiveram um Celta, para avaliar bem como é o carro. Quem já teve ou, como eu, viajou com ele, sabe que é um carrinho gostoso de dirigir, principalmente se estiver com até 4 pessoas a bordo, onde ele deslancha fácil e o giro alto do motor não incomoda mesmo em altas velocidades. O pessoal vai muito pelas publicações de revistas, mas não fala por si só muitas vezes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho um Celta da minha irmã em casa, vhc 2007.
      Acho-o muito caro pelo que vale.

      Convenhamos, até os retrovisores do Celta chacoalham... parecem de moto.
      Volto a repetir, um Peugeot 105 dá um cacete em prazer de dirigir no Celta.
      Uma surra diria.

      Excluir
  75. A General Motors é um aglomerado de barracões velhos em São Caetano do Sul.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A 2 fec 04:07
      Barracões velhos, sim, mas você já olhou dentro? Se não, recomendo que o faça. Sem contar o Centro Tecnológico vizinho e o campo de provas em Indaiatuba.

      Excluir
    2. Bob, primeiro que é facil pixar e sair correndo, sem se identificar...E segundo, que nós sabemos BEM o que existe dentro daqueles barracões velhos, e diga-se de passagem que o que há la dentro está longe de estar ultrapassado no que tange a processos de produção.

      Excluir
  76. QUEM ANDA DE FUSION VAI ACHAR CELTA UMA PORCARIA MESMO, ALIÁS QUALQUER CARRO DESSA CATEGORIA, OU VAI DIZER QUE O FIESTA É O CARRO?
    ÉTUDO A MESMA COISA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo, eu ando de Fusion. Nunca, nem em sonho, trocaria o Fusion pelo Celta, não sou louco. E mesmo assim achei alguma graça no Celta, com que tive que conviver por um final de semana. Talvez pelo estilo muito calmo e tiozão do Fusion, eu estivesse com saudades de dirigir algo mais nervosinho, que eu encontrei no Celta.

      Ando no Fiesta da esposa, xingo muito o motor 1 litro dele, mas como carro ele é bem melhor que o Celta. Se fosse 1,6 l, seria um carrinho honesto. Não acho que seja a mesma coisa não. Falta muito arroz e feijão pro Celta poder se comparar ao Fiesta. Espaço interno, ergonomia, conforto ao rodar, tudo é melhor no Fiesta.

      Excluir
    2. Farjoun
      Celta e Fiesta são de categorias diferentes, fora a idade de projeto de cada um deles. Para isso, a comparação mais adequada seria com o Corsa C(4300). O problema é que ele está na UTI e não sairá vivo de lá. O sedã já morreu.

      FVG

      Excluir
    3. Achar que o Celta é igual ao Fiesta é provar e atestar que não conhece picas de como se faz um carro.

      O pior é que se diz "entusiasta" e sai dando pitaco na família...

      Deplorável.

      Excluir
  77. Eu ando de Clio e Corsa B e acho o Celta uma porcaria.

    ResponderExcluir
  78. Se o Celta custasse 16, 18 mil reais, o acharia muito bom. MUITO.

    Mas não é essa quantia que vai no cheque.
    Sinto muito. Melhor pagar carro em algo melhor do que pagar quase caro em um anti-projeto chamado Celta.

    ResponderExcluir
  79. Como é que um carro que tem o banco elevado em um face-lift e não alteram os outros comandos pode ser chamado de carro?

    Me admira os entusiastas gostarem disso. Isso é gambiarra. GAMBIARRA.

    O assento do 2006/2007 é mais alto que os anteriores. Solução porca.

    Meu trabalho me faz merecer um pouquinho mais de respeito dos produtos que compro.

    ResponderExcluir
  80. Celta por 30 paus?

    Tem um Fiesta 2002 Street de um tiozinho aqui na rua vendendo por 12500. Inteirinho.

    Com a diferença eu mobilio meu apartamento e ainda faço uma lua de mel.

    Aprendam a viver.
    Autoentusiasmo no Brasil é coisa pra trouxa ou rico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então o que você faz aqui, é trouxa ou rico?

      Excluir
    2. eu? trouxa, certamente.

      Excluir
  81. Post interessante...realmente a conclusão foi perfeita: compará-lo a um kart. extremamente divertido de pilotar por uma hora ou duas e só! Seria interessante utiliza-lo em pistas fechadas...

    ResponderExcluir
  82. A BATALHA DOS ANÔNIMOS VOLTOU.

    ResponderExcluir
  83. Resumo: o Celta é um estudo de caso para se entender o verdadeiro leprosário que é o "mercado" automobilístico brasileiro...

    ResponderExcluir
  84. Que tal os donos do blog pararem com esses textos bem "lugar-comum" de que carro barato é carroça? O cara compra um Uno ou Celta e quer que tenha conforto e desempenho de Fusion? Bahhh!

    João Paulo

    ResponderExcluir
  85. Anônimo/João Paulo

    Por que então você não vai ler o blog do tal de Fernando Calmon, para quem essas carroças são maravilhas tecnológicas com preços justíssimos, ou Quatro Patas, ou qualquer outra porcaria...?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembro de uma coluna do Calmon onde ele comentava sobre o congresso do SAE Brasil e sobre a engenharia frugal.

      Trabalho AO LADO de engenheiros automobilísticos e eles vivem reclamando que aqui nos congressos neguinho tá discutindo se o capô abre e fecha, se a tranca de porta tranca mesmo. Dizem que é patético.

      E estes mesmos caras quando vão pra Frankfurt ver os faróis a laser da Audi e da BMW acham coisa de outro mundo.

      EU, EU fui pra Frankfurt com engenheiros e eles não conseguiam sequer entender soluções técnicas utilizadas em carros como Hyundai i20 e Nissan Qashqai, C3 europeu... que são carros básicos lá e um tanto normais aqui.

      Lamentável.

      Excluir
    2. O Fernando Calmon não sei se é pago ou não pra dizer. Nem me interessa.

      Mas ele me remete muito aos engenheiros da FEI que usam as mesmas cartilhas há 40 anos.

      40 ANOS!!!
      Cara pálida, as coisas mudaram um pouco nesse tempo...
      Aí depois vem um engenheiro coreano e todo mundo fica pagando pau!

      Medíocres e sem talento algum.

      Excluir
  86. Corolário:

    O Celta é um carro para determinada fase da vida. Trate de melhorar de vida o quanto antes.

    ResponderExcluir
  87. Estranho dizerem que preferem Corsa B (incluindo o Classic) ao Celta. Trata-se exatamente do mesmo carro com acabamento piorado. Quanto à mecânica, exatamente iguais. Não dá pra levar à sério esses comentários...

    ResponderExcluir
  88. Quando eu disse que celta e fiesta é tudo a mesma coisa quis dizer que tanto um quanto outro são defazados , projetos arcaicos e que nos são enfiados goela abaixo, para remeter lucros e mais lucos para as matrizes.por que o new fiesta é tão caro, pra vender o velho que já foi amortizado a anos.Vejam o agile, coisa horrenda, prefiro o corsa c.palmas para os importados,pelo menos é o que tem para o mundo inteiro .Auto entusiasta eu sou, não sou burro e nem cego

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...