7 de março de 2012

NAVEGANDO NA CÁPSULA DO TEMPO



O Mister Fórmula Finesse é pseudônimo de um leitor do AUTOentusiastas de longa data que, inclusive, foi convidado a escrever uma matéria por ocasião do nosso segundo aniversário. Agora ele presta nova colaboração, desta vez voluntária, que considerei bem dentro do espírito do AE. Ele fala, com muita propriedade, de sua experiência com uma Kombi, que achei merecedora de ser compartilhada com os leitores.

Boa leitura!

Bob Sharp
Editor


NAVEGANDO NA CÁPSULA DO TEMPO

Por Mister Fórmula Finesse


“Hahahahahah....onde é a feira, colono?” – perguntou o amigo.

“Bem, digamos que não rola, não para passear com a família, é muito dura!” – atestou o vendedor, um tanto penalizado com minha suposta ingenuidade.

“O pessoal aqui da agência não acredita que você está usando o carro apenas passear, juram que é para trabalho” – comentou meio incrédulo o chefe da oficina.

Esses comentários pouco abonadores me remeteram a um tempo em que nossas escolhas de carros na família, quando eu ainda não tinha os meus próprios, eram sempre vistas com alguma reserva pelos demais, pois a utilização e os modelos eram sempre um tanto pitorescos em face do que a grande maioria seguia. Como pequeno exemplo de muitos, o fato de botar um ônibus Agrale TR-3 – ah, loucos anos oitenta – para lidas diárias urbanas, denota que nunca fomos totalmente normais....

Mas um pouco de rebeldia é sempre bem-vinda. Rebeldia ou simples pragmatismo, a verdade é que escolhi uma Kombi para fins recreativos. Tendo sempre a família dos sogros por perto, criamos o saudável hábito de passearmos sempre em grupo, algo bem oriundi mesmo, e para tanto precisávamos de algo realmente espaçoso. Meu alvo – inicialmente – era uma van diesel como uma Mercedes Sprinter, Peugeot Boxer, Fiat Ducato e afins...mas era um ativo imobilizado oneroso demais para adquirir e manter. Teria que ser algo mais barato.

Resumindo, depois de mais de 12.000 km em sete meses com a decana van, creio que posso passar aos leitores um panorama completo do que significa interagir com essa verdadeira pioneira, um texto que se justifica, pois pode ser o último pente fino na velha senhora que irá se despedir no final de 2013. Não vamos falar hoje de Porsche, Ferrari ou outros carros entusiastas (na verdade, todos os carros o são, em graus diferentes), vamos discorrer sobre uma trabalhadora....alguém que – literalmente – carregou o capital (bens/pessoas) deste país com galhardia. Vamos analisar alguns itens importantes, vamos embarcar na cápsula do tempo chamada Kombi.

Estilo
Como julgar um carro que mantém suas linhas básicas desde a concepção em 1947? Não tem como, ela pode ser cult, ela pode ser a ensolarada Califórnia do verão do amor, ou pode ser simplesmente intragável, depende dos olhos de quem vê. É o exemplo perfeito de que a forma segue a função. A Volkswagen tentou dar uma identidade “Titan” à Kombi com o desenho da grade frontal, e eu adicionei piscas da última versão da Kombi a ar (200 unidades), descoloridas, para haver mais coerência entre a moldura dos faróis e piscas. Mais do que isso, não dá para fazer...

Interior
Mais uma viagem no tempo, comutadores de Fusca no painel, freio de mão, alavanca longa de câmbio, carcaça interna dos faróis aparentes....A verdade é que a Kombi piorou muito com o tempo. Atrás dos bancos dianteiros, borrachas mal colocadas impedem que os passageiros machuquem os pés nas diversas rebarbas afiadas e travessas de metal que uma vez eram escondidas. O interior de uma Kombi 1974 luxo, a despeito da mudança de público, era um SUV de alto luxo em termos de comparação.

Posto de condução
A Kombi brinda os novatos com uma sensação estranha de que tudo está deslocado. Com ela em movimento, parece que o banco está muito mais alto do que quando parada – sensação similar a quem dirige caminhões pela primeira vez – como se os sentidos fossem de algum modo amplificados. Com o passar dos quilômetros, tudo vai ficando mais normal, a posição bem ereta no banco, a possibilidade de descansar os antebraços no enorme volante, a ótima visibilidade que permite antecipar a maré do trânsito, ela passa a ser quase confortável e lógica quando se acostuma.

Condução urbana
JLV disse uma vez que os condutores de Mercedes-Benz 608 e de Kombi são os motoristas mais estressados da cidade, por conta das peculiaridades desses veículos, isso há mais de 25 anos...E não há como discordar: se não tiver um mínimo espaço para poder movimentar o carro enquanto esterça o volante em uma vaga de estacionamento, saberá de cor a função de cada músculo dos braços. Com o carro parado e com lotação, é virtualmente impossível para gente de compleição física frágil girar o volante. Além de seus espelhos externos ajudarem menos do que o esperado para “encostar” no carro de trás. Em contrapartida, a embreagem é uma das mais moduláveis que já experimentei, lança o carro com facilidade nos semáforos, e o motor de 1.400 cm³ – de concepção moderna – faz a Kombi (vazia) rivalizar com qualquer carro “popular” em arrancada, ela parte com decisão, como um barco levantando a proa, e retoma velocidade melhor do que você imaginaria, ocupando espaços a frente com certa facilidade. A longa alavanca de câmbio opera maciamente e sem pressa, mas não tente reduzidas rápidas para segunda, porque ela fatalmente irá emperrar.

Na estrada
A Kombi na estrada é um excelente pacificador de motoristas (o que conduz no caso, não os outros), pois ensina o significado de humildade e de cooperação com o tráfego local. A faixa da direita, no momento da ultrapassagem, se transforma em verdadeira confidente, pois se terá que calcular com exatidão de metros a hora de sair dessa faixa sem atrapalhar os outros. Mas, se no ambiente urbano ela quase se revelava lépida, o que acontece na estrada? Bem, em espaços mais abertos, a aerodinâmica começa a cobrar o seu quinhão. A Kombi realmente acelera firme até os soporíferos 80 km/h legais (ainda na maioria das estradas); mas quando a brincadeira passa pelos 100, as coisas começam a dar a clara sensação de esforço. É possível cruzar entre os 100 e os 110 no velocímetro com alguma (pequena) reserva de conforto, mesmo os 120 indicados...Em boa estrada, vai maltratar mais os seus ouvidos do que colocar os sentidos de auto-preservação em alerta. Isso em linha reta e sem vento, pois ainda não chegamos às curvas e às áreas com bastante vento. No caso do vento, como bom marinheiro, o motorista começa a notar sinais de problemas ao observar a copa das árvores contorcidas pelo movimento das massas de ar, quando estas batem na lateral alta do carro, a condução vira um exercício de correção no volante, o tempo todo. No trecho final da freeway Porto Alegre-Osório (RS) – pródiga em ventania – você se obriga a andar até 40% mais devagar do que com um carro “normal”, as mãos têm que estar firmes ao volante, tentando antecipar quando finalmente as rodas dianteiras vão obedecer ao plano de vôo traçado. Corrige à direita, corrige à esquerda, a van vai essando pela estrada, ora avançando um pouco para a outra pista em uma lufada mais forte. Bitolas estreitas, alta demais...Só abrindo as janelas laterais para mitigar um pouco o encontro das forças da natureza. O sistema vago de direção em nada ajuda, fica a certeza de que a Kombi verdadeiramente cobra certa “biografia” do motorista para ser conduzida maciamente e com segurança.

Curvas, condução esportiva
Falar em direção esportiva de Kombi é quase tão sensato quanto imaginar uma balança social dentro de uma confeitaria. Mas o verdadeiro entusiasta imagina dotes esportivos até em carrinho de pipoca carenado (Motor 3)....e eu sei que vocês querem ler esse capítulo em especial. Três portas, tração traseira...um Veloster melhorado? Bem, vou tentar explicar como ela rende no máximo de acelerador e mínimo de juízo: Como acelera: bem, a embreagem – já descrita – não precisa ser levada a patinar, o motor responde adequadamente, mas – até por estar fisicamente longe do motorista – fica um pouco complicado achar os limites das marchas no começo, pois não existe marcação no velocímetro do limite de cada troca, já que não há conta-giros. A alavanca precisa ser manuseada com cuidado no limite. Sem respeitar o tempo dela, a arranhada é inevitável. Ela nunca irá passar de 130 km/h, é limitada eletronicamente (se bem que já chegou a 132 km/h reais, medidos em GPS algumas dúzias de vezes). Tem potência para chegar a 140 km/h ou pouco mais, mas a que preço da segurança? Certo que esse motorzinho faria as maravilhas em uma linha Fox/Gol/Spacefox/Parati mais simplificada, talvez com um comando um pouco mais vivo...

Curvas de alta no seco
Bem de alta, até porque a velocidade dela é.... baixa, mas entrando como se vem, existe um pequeno devaneio no comando da direção, um leve “pensar” até ele se entender com as rodas da frente. Ela rola de forma acentuada, mas ainda não compromete. Já nas curvas médias e curtas no seco, aqui o bicho começa a pegar, a direção fica um pouco menos contemplativa, mas a massa do motor lá atrás começa a soltar os cachorros. Você começa a contornar a curva em velocidade moderada, com todos os sentidos ligados e mãos firmes, mas – como uma renitente alma penada – a presença sólida do motor vai alterando o alinhamento da Kombi; um mínimo de excesso de comando no volante, e a traseirada pode ficar violenta. Parece ser possível sentir o chassis se contorcendo com o peso lá atrás em quase descontrole; todos os avisos são dados até certa velocidade, um leve erro e prepare-se para abraçar o volante em rápida correção.É nesse ponto que a magia/dilema dos Porsches 911 mais antigos, descritas em revistas, começam a ser entendidas com propriedade...

Curvas de baixa (de alta é suicídio) com piso molhado
Mais do que experimentação em rodovias, curvar no molhado de Kombi exige uma espécie de campo de provas particular. Eu tenho algumas curvas seguras para avaliar o comportamento dos carros com asfalto molhado, local que permite ver o quanto o comportamento de cada veículo se altera com diferentes níveis de desgaste de pneus na frente ou atrás. Com a Kombi, me obriguei a usar ineditamente uma marcha mais baixa que a terceira usual de abordagem, e mesmo assim....Foi uma festa estranha com gente esquisita. A Kombi entra quente em segunda marcha no inicio da curva em descida, os pneus dianteiros começam a perder aderência, e a direção não conecta coisa alguma lá embaixo; quando ela finalmente direciona os pneus, você já estará dando uma resposta exagerada na direção tirando a traseira da linha, você corrige com o volante virando para o lado de fora da curva, mas ali acontece uma junção de fatores que o deixará falando sozinho...O peso do motor que desestabiliza a traseira no começo, logo em seguida – com piso molhado, lembrando – permite que o ângulo da deriva não seja muito radical, fazendo com que o eixo de trás retorne sozinho, quase voltando ao plano inicial de contorno na curva. Mas, nesse instante, você está no meio da correção, e a direção – lenta como uma procissão a pé – estará apontada para o lado errado da curva, já que o carro quase se corrigiu por efeito da inércia do motor. Dê-lhe então puxar a direção para dentro de novo, com a Kombi toda atacada de todo tipo de tremeliques, indecisa com tanta ordem e contra ordem. Se quiser um ângulo mais pronunciado de drift em baixa velocidade (segunda marcha no máximo), ela fará algo mais convincente em calçamento de paralelepípedo molhado, mas exige reflexos atilados para buscar a traseira de volta, brincadeira nada recomendável...

Conclusão
Escrevi muito sobre o comportamento da Kombi, minha cláusula pétrea quando leio sobre carros, e deixei de lado os enormes dotes de praticidade da mesma. Mas o aval dessa utilidade é a própria aquisição de um carro tão antiquado e inseguro para o fim especifico de transportar pessoas muito amadas. Não é exagero que o Brasil foi carregado nas costas desse bravo utilitário, que virou piada entre os menos conhecedores por puro abandono da sua mãe Volkswagen. Sua capacidade de carga, sua liquidez, sua simplicidade de manutenção..Tudo isso já foi contado em prosa e verso, e eu realmente queria escrever algo diferente, esmiuçar a intimidade e a personalidade dessa velha senhora para novos leitores, que nunca tiveram a oportunidade de guiar algo tão sui generis. Talvez essas sejam as últimas muitas linhas dedicadas a ela, antes de sumir em um rodapé de revista automobilística declarando que a produção da Kombi foi encerrada. Saindo em anonimato para conquistar a eternidade. Vamos esperar por sua real sucessora, já está mais do que na hora!

MFF

155 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez porque seu poder aquisitivo permitiu algo melhor, ou você não se viu de frente com uma parentada (ou seria "pobretada"?) composta de 8 ou 10 indivíduos inseparáveis (às vezes bem mais) que cansaram de revezar viagens num Fusca. Lá em casa, as Kombis (sim, foram várias!!!), sempre foram usadas como veículo de viagens em família. Verdadeiras festas com gente quase até no teto, com direito a muita farofa e frango assado. A premissa era básica: Já que vai demorar pra burro chegar no destino, vamos fazendo duzentas paradas bem longas em lugares bacanas pra transformar a viagem em uma aventura bem menos cansativa e muito divertida. Uma semana de folga virava 2 ou 3 dias no trajeto e os outros no destino. Garanto à vocês que TODOS eram enormemente agradáveis, mesmo berrando feito loucos pra vencer o barulho do motor, gastando tubos e tubos de desodorante pra disfarçar o cheiro de gasolina e poluindo drasticamente nosso meio ambiente com dezenas de pilhas usadas nos ventiladores portáteis. Sou grato, muito grato.

      Forte abraço.

      Excluir
    2. Perdão, MFF! Me entretive tanto com as lembranças que me esqueci de parabenizá-lo pelo excelente texto que me fez rir feito bobo voltando mentalmente no tempo. Muito obrigado!

      Excluir
    3. Legal é o Renault Logan!

      Excluir
    4. Mr.Car; é tudo uma questão de ver a racionalidade das coisas, ainda que a Volks é negligente demais com o carro. Racional o carro é, tentei um viés mais emotivo, mais...entusiasta.

      Adlei: a Kombi é vetora de muitas lembranças, literalmente de uma nação inteira..que bom que tenha gostado do relato!

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    5. Adlei Brex: eu não, mas meus avós se viam diante de uma parentada de 9 netos e todas as suas tralhas, louquinhos para deixar São Paulo e ir para a fazenda, no interior do estado, distante cerca de 450Km da Capital. E ele fazia nossa vontade com uma Chevrolet Veraneio. Sorte nossa.

      Excluir
    6. Anônimo 7/03/2012 08:57 AM
      Mais legal que a Kombi? Com absoluta certeza.

      Excluir
    7. isso, mete o pau no logan!!!

      urânio

      Excluir
    8. Como tem gente retardada....

      O cara do avatar verdinho que deu origem a este comentário é um deles...

      Excluir
  2. Eita bichinho difícil, mas gostoso de dirigir.
    Entre tantas, a maior lembrança que tenho da Kombi, foi quando ao descer da bruta pisei em falso em uma pedra e quebrei o osso do dedo mindinho e tirei todos os nervos do pé do lugar.
    Assim como os caminhões FNM, a Kombi teve seu valor mais que provado no país.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Célio: realmente, é um bicho sui generis mesmo, mas diverte até certo ponto...

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  3. Aléssio Marinho07/03/12 12:36

    MFF;

    Bravo!!!

    De tão integrada a paisagem, esquecemos de todos os méritos da Kombi. Todos temos uma história pra contar sobre uma.
    Desde adolescente quero ter uma por causa da Jackeline.
    Jaqueline era a Kombi 74 cinza do Seu Renê, merceeiro cujo comércio ficava em frente a casa de minha mãe, "no Goiás". Durante o dia, o servia com maestria no seu trabalho. A noite e fim de semana, levava a sua família onde fosse preciso. Seu Renê tinha um carinho muito grande com a Kombi, adquirida com esforço após a sua falência como dono de restaurante noutra cidade, e representava o seu recomeço. Adquirida em estado deplorável, com muita corrosão, foi sendo arrumada aos poucos a medida que a mercearia foi crescendo.A bordo da velha senhora (isso nos anos 90) se reergueu com dignidade, como pessoa e como profissional, após esse conturbado período da vida. Em alguns anos mudou-se da cidade e abriu uma lanchonete, sua especialidade, noutra cidade.
    Hoje tenho muito contato com Kombis de clientes. Quando guio uma, sempre o faço com um respeito enorme por tudo que representa ou representou na vida de muitas pessoas.
    Confesso que o único carro que gosto de transpor um quebra-molas é com ela. Em nada se comprara atualmente a suavidade da suspensão e dos bancos com espuma.
    Uma Kombi Carat, da primeira safra com Injeção ou uma "corujinha" teriam os seus lugares cativos na minha garagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O balanço da dianteira, sentado na frente das rodas, é algo inigualável, ela balança docemente ao transpor lombadas....é uma coisa que só a Kombi pode te entregar de sensações (além daquelas de insegurança..etc)

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    2. Aléssio Marinho08/03/12 09:30

      Nas conversas sobre carros que tenho com um grande amigo o assunto Kombi sempre vem a tona. Ele a detesta, pois trabalhou com várias e volta e meia alguma a deixava na mão. Mas numa coisa ele tira o chapéu: considera-a como vestibular para motorista de ônibus! rsrsrs
      Nada melhor pra aprender a dirigir veículos pesados!

      Excluir
  4. Pode ser feia, esquisita e insegura, mas eu quero uma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. somos dois. FTR

      Excluir
    2. Somos Três!!!!

      Ou uma 1985 ou uma Carat 1999 que tem na minha cidade.

      Excluir
  5. Eu acho que nesse caso, seria a morte do bom senso, vou explicar porque, onde você vai encontrar um carro que tenha ótima rede de assistência além das concessionárias (já incluindo os bares e pardieiros que tem peças para ela), seja barato e faça o que ela faz cobrando o preço que cobra?
    Nesse caso não é para se bonita, confortavel, potente e qualquer outro adjetivo que sirva aqui, é pra levar e trazer.
    Eu só acho que ela não teve o devido desenvolvimento para se equiparar com os carros atuais, acho que numa atitude da própria VW para tentar diminuir a suas vendas para poder tirá-la naturalmente de linha com o declínio das vendas e poder substituí-la com outro produto que a mesma VW não lançou. Mas como não tem nenhuma carro no mercado que faz o que ela faz cobrando o que ela cobra, a mesma vende relativamente bem e deve dar um lucro legal para um projeto que já se pagou há décadas.
    E ainda acho que vão dar um jeito de colocar ABS e Air bag nela daí ela não vai sair de linha visto que a VW não é boba nem nada e não está afim de perder uma fatia considerável de mercado simplesmente por deixar de fazer a kombi. Projetos esses (AIR BAG e ABS) que se ainda não estão prontos já estão bem adiantados no meu ponto de vista.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Considerando que a lei diz respeito somente à presença desses equipamentos no veículo e não se eles de fato melhoram a segurança dos ocupantes e em que medida melhoram, não duvido que a VW inclua Air Bags e ABS na Kombi só pra constar e poder continuar vendendo normalmente.

      Excluir
  6. Mr.Formula Finesse
    Parabens por seu texto , muito bom !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Opps!

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  7. Narcisa Tamborindegui07/03/12 13:54

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. É o carro da pamonha!

    Pamonha!
    Pamonha!
    Pamonha!

    Quentinha Pamonha!

    ResponderExcluir
  9. Mas afinal, o Mr. Fórmula Finesse é mulher? "Agora ELA presta nova colaboração", "Ela fala"...
    Quanto ao texto, interessante e bacana. Muita gente adora meter o pau na VWB e na Kombi, mas o que realmente acho surpreendente é que até hoje ela não tenha nenhum concorrente direto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corsário: sou homem, acho que foi uma pequena falha na introdução do tema.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    2. O Corsário Viajante
      O "ela" foi erro meu, já corrigi. Desculpe por essa, Mister Fórmula Finesse!

      Excluir
  10. Fórmula, quem tem 30 ou mais se emociona de verdade com seu texto. Quem é mais jovem nem termina de ler, mesmo que seja entusiasta. Não sabem o que estão perdendo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Sacco, eu tenho mais de 30, mas nunca tive um contato realmente prolongado com a Kombi, fiquei de certo modo surpreendido com suas características boas e ruins de condução.

      É uma lufada de vento para os acostumados a cambios automáticos e carros que tudo perdoam, é uma experiência bem diferente de direção.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    2. tenho 18 e gostei. FTR

      Excluir
  11. já pilotei um bicho desses, pick-up, carregada de andaimes. passando de 40 por hora, para mantê-la em linha reta, tinha-se que descobrir a freqüência natural de oscilação do veículo e aplicar o movimento correspondente no volante com defasagem angular de "pi" radianos, de modo a cancelar o balanço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por aí, com a visão periférica, você percebe a carroceira no prumo, mas o volante sempre está em constante correção de rota, mas as novas são mais estáveis acredito em linha reta (suspensão não é mais de fusca)....

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  12. Interessante como um carro rustico e simples pode nos trazer tanta emocao ao dirigir .. (dentro de seus limites claro)!

    ResponderExcluir
  13. vai passando o sorveteiro
    vai passando... o sorveteiro
    8 bolas, de sorvete, por 1 real.
    traga a vasilha.... traaaagaaa... a... vasilha
    é uma promoção... é uma promoção especial...
    é uma promoção especial de sorvete
    8 bolas, por 1 real.
    diversos sabores... de sorvete
    abacaxi, côco, limão, chocolate, morango, doce de leite, leite condensado e.... cupuaçu!

    ResponderExcluir
  14. MFF,

    Parabéns! Adorei seu texto!

    Eu ainda não tive o prazer de dirigir uma dessa. Espero poder fazê-lo, um dia. Melhor ainda seria comprar uma, para deixar de relíquia, como a minha Parati...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Experimente mesmo, mas com cuidado nas curvas, o motor mais alto e pesado - comentário do Bob Sharp - que o antigo, pode ser potencialmente perigoso nas abordagens mais otimistas.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  15. Há tempos tenho curiosidade de dirigir uma Kombi, e agora mais ainda. Da próxima vez que eu precisar alugar um carro, vou pegar uma Kombi só para sentir como é dirigir o pão-de-forma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só não tenha muita pressa e pena do bolso em relação ao gasto de gasolina; de resto..vale como uma bela experiência.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  16. Dizem por aí que a VW tem protótipos da Kombi com ABS, e que forçariam junto ao governo a dispensa de utilitários serem equipados com airbags.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela já anda com ABS, mas o air bag não está dando pé não....

      Excluir
    2. Isso resolve o problema...

      http://revistaautoesporte.globo.com/Revista/Autoesporte/0,,EMI270910-10142,00.html

      Excluir
  17. Pela segunda vez não consigo ler um texto do AE com meu iPhone. O texto está com letras pretas sobre fundo preto. O esquisito é que a introdução do BS está visível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui no meu está do mesmo jeito. O engraçado é que os posts dos dias anteriores estão normais...

      Excluir
    2. Acontece que o Bob copia os textos do Word e os cola no editor do Blogger. O Word tem essa capacidade de estragar, quando você copia o texto de lá, junto do texto vem um monte de HTML escroto da Microsoft.

      Acontece que quando acessamos o site com um dispositivo móvel, o problema também ocorre no Android, o CSS do Blogger para estes dispositivos "entra em conflito" com a formatação do Word.

      Bob: Sempre que utilizar o Word para corrigir os textos, antes de transferí-los para o editor do Blogger, cole no bloco de notas, copie novamente e então cole no Blogger.

      Excluir
    3. A introdução ao texto, de autoria do Bob Sharp, provavelmente foi escrita diretamente no editor do Blogger, por este motivo não ficou "preto sobre preto".

      Excluir
    4. Esse problema não acontece com o Nokia E72 (sistema Symbian, navegador próprio ou com o Opera). Só para constar.

      Excluir
    5. Raphael Hagi
      Vou experimentar o Rich Text Format.

      Excluir
  18. É ISSO AÍ MFF, PAU NESSES QUE NÃO CONHECEM OS PODER DO PÃO-DE-FORMA AMBULANTE!!!

    ResponderExcluir
  19. semana que vem aparece nos noticiários uma meia dúzia de otários que capotaram suas Kombis por aí depois de ir comprovar os "dotes dinâmicos" que o MFF mencionou...

    pseudo-entusiastas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não subestime a inteligência dos entusiastas anônimo, além do mais, está bem grifado no texto, que a Kombi é uma temeridade para andar realmente forte, seus limites são baixos, e é preciso mãos treinadas para tirar algo do seu pacote dinâmico....

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    2. Zé da Silva08/03/12 09:09

      Comentário infeliz, típico de quem lê e não entendeu nada.

      Excluir
  20. Gustavo Cristofolini07/03/12 15:11

    Eu já dirigi Kombi alugada e já tive uma que peguei numa cobrança. Aquela alugada eu fiz muitos burnouts nela. Quem conhece sabe o quão estranha é a suspensão traseira. Ela é.... sei lá, diferente. Mas o espaço interno, deixa a C4 picasso no chinelo. Só dirigindo uma para entender o que o MFF falou no texto é verídico. Nunca pilotei uma a água.

    []s
    Gustavo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gustavo; a versão a água sussura, e não ladra violentamente como o velho motor boxer, e causa certo frisson dos demais motoristas quando cruza a mais de 120 em (boas, repito..boas!) estradas de mão única....

      Seus 80 cavalos - 78 com derivado de petróleo - abrem uma pequena dimensão paralela em relação aos 58 do velho 1600c3 a ar.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
    2. já empurrei muita gente na estrada de kombi a água...quando passo as crianças dos outros carros apontando pra kombi e falando "pai, pai, olha a kombi te passando no pau!!!!!"
      hahahahaha
      viva a komboza

      Excluir
  21. Belo texto. Sou um admirador da Kombi e sempre observo aquelas antigas e bem conservadas. Essas mais antigas, com parabrisa dividido (split window), já são raras, e quando inteiras, por aqui já são disputadas por colecionadores. Na Inglaterra, as Kombi de lá (VW Camper) tem uma legião de admiradores e também muito valorizadas, bem como os Fuscas VW 1303 com suspensão dianteira McPherson.
    luiz borgmann

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Luiz; sem falar que as versões atuais são disputadas também para conversão (campings) no Velho Mundo!

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  22. Puxa, muito bem escrito, e muito interessante, gostei muito de ler, poderia até trabalhar na área se quisesse, escreve melhor q muitos outros jornalistas q se dizem especializados.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tendo os carros a mão, eu faria até de graça, pelo simples prazer de testar e escrever sobre carros caro Edu;

      Grato pelo elogio;

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  23. Será que sou o unico que acha que a Kombi já devia ter saido de linha!!!!!!.
    A VW ganha milhoes com ela, pois o projeto, ta todo amortizado, não tem qualidade nem de carro chines, Ultrapassada etc etc.
    Só foi pouco atualizada(motor) devido a forças maiores(ecologia) senão tava ainda ai o velho motor a ar. Quem quer uma Kombi vai lá e compra uma usada da decada de 70 e reforma, pronto. Ta resolvido. Quem olhar com pouca atenção vai ver a má qualidade de fabricação. (Deus proteja nossas crianças que vão a escola de Kombi).
    Seus bancos e suportes são uma brincadeira, bem como proteção lateral.
    Saudosismo nessa hora não. Curto carro antigo, mas não carro antigo novo.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acho que a Kombi já deveria estar em uma frequência totalmente diferente de evolução Real Power, ela é a segunda - sim, segunda - geração em termos de carroceria da Kombi original alemã....

      Até por isso justifica-se este texto, como se comporta o carro pioneiro da ind.brasileira que ainda está em produção.

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  24. Trabalhei 12 anos em revenda de veículos (dessas de veículos usados, que lidam com todo tipo de carro) e nunca tive a oportunidade de dirigir uma Kombi. Aliás, sequer havia andado em uma, até o dia em que, já estudante universitário, fui estagiar num órgão público que tinha uma frota considerável de Kombis (na época ano 97), utilizadas para todo o tipo de trabalho, inclusive de topografia que era o nosso setor. Pois bem, como tínhamos motorista contratado, continuei (e continuo até hoje) sem nunca tê-la dirigido, e confesso, tenho muita curiosidade. Já dirigi desde caminhão FNM até Towner, mas a Kombi me atiça a curiosidade.
    Mas voltando aos trabalhos de topografia, o que posso dizer é que a Kombi para mim se revelou surpreendente em muitos aspectos: valentia invejável em péssimas estradas de terra e até em meio a plantações; espaço interno suficiente para que se pudesse inclusive trocar de roupa dentro dela, acomodar os equipamentos (e a terceira porta lateral ajuda muito mesmo! Não há frescura, pode-se entrar com os sapatos embarrados sem pena de sujar o piso, as aberturas laterais garantem boa ventilação, e a cobertura superior do motor servia como mesa para o nosso computador! Além disso era o único veículo da empresa que permitia que se transportasse o nosso equipamento de medição sem ter que desmontá-lo (o que poupava um bom trabalho). Além disso a capota alta permitia ótima recepção de sinal do GPS topográfico.
    Por esses e por outros motivos, apesar de tudo, viva a Kombi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, CSS, a kombi como ferramenta de trabalho, ainda têm seus dotes formidáveis...

      A tração traseira ajuda muito em terrenos mais acidentados, com o motor sobre as rodas que tracionam, pude brincar bastante com areia da praia que invadia as ruas de uma praia, enquanto todos evitavam a rua tomada de areia fofa, a kombi singrava com relativa facilidade, entrando até com certa velocidade e atravessando em ângulo de derrapagem a pequena duna que tinha se formado, era manter o motor cheio e ir corrigindo a decisão das rodas dianteiras, sempre rebeldes em relação as traseiras....

      Também por isso ela fez muito sucesso em um país com malha rodoviária ainda na primeira infância...

      Mister Fórmula Finesse

      Excluir
  25. Ando nela desde 1967, pouco mudou....até esta com motor 1.4, melhorou bastante o ruído interno, de resto tudo igual.

    ResponderExcluir
  26. kombi, não tem quem não goste....

    convide seus amigos pra dar uma banda domingo, ou as crianças pra serem levadas a escola de kombi.
    é impressionante, todos vão sacolejando em seus bancos de napa sorrindo como crianças no parquinho, se divertindo com a volta no tempo de andar de kombi.
    vida longa à kombi!!
    dimmy

    ResponderExcluir
  27. Cara eu já tive a oportunidade de dirigir uma Kombi e é MUITO divertido!! É um estilo muito diferente.. eu parecia um tonto com um soriso no rosto enquanto dirigia.

    Quando eu era pequeno, meu pai tinha 2 Kombis cabine dupla Diesel. Hoje é raro ver uma em bom estado.

    ResponderExcluir
  28. MFF, excelente o texto, você está de parabéns! Me diverti bastante com a descrição da condução da Kombi em situações limites... para a Kombi! Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Octavio!

      MFF

      Excluir
  29. A kombi é o único veículo que ainda te passa a importante lição de que, se você dirigir como se não houvesse amanhã, talvez não haja mesmo...
    A única coisa que não dá pra concordar, mesmo sabendo que ela é muito mais barata que qualquer forma de concorrência, é com o preço que a VW cobra pelo que foi, a rigor, o primeiro (e talvez venha a ser o último) veículo fabricado no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, só pra engrossar o coro, MFF, escreveu bem pra caramba! Obrigado por arriscar sua integridade física para descobrir quais são os limites da velha senhora e vir aqui contar de forma tão brilhante!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  30. ela anda legero cuando piza so tenque cuida no breke que essecim cuando nao funssiona nao funssiona eu tinha uma pra pucha o peçoal ke trabaliava na estrada mais tive ke vende e agora eu so so apozentado mais troce boas lembransa ela era branca e 86

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, anônimo. Mas o português poderia ser um pouco melhorzinho, não é mesmo?

      Excluir
  31. MFF,

    Gostei de ler sobre as suas aventuras! Compartilho aqui a minha única a bordo de uma Kombi: em 1997 tive a oportunidade de viajar com uma Kombi 1,8L de Resende para Cuiabá - veículo de frota da VW, esse modelo a VW chegou a exportar para alguns países mas nunca comercializou-o no Brasil. Esta Kombi andava muito, não acredito que havia um limitador de velocidade, o cabo do velocímetro não durou muito, ocilava muito desde o início da viagem e partiu-se antes de cruzarmos a divisa com SP. Em MT o veículo foi multado a 147 km/h! Velocidade esta facilmente atingida mas utilizada somente quando não havia veículos para ultrapassar, pois era necessário as duas pistas para mantê-la na rota desejada! A técnica dos vidros abertas mandatória nestas condições. Na volta, apesar dos cinco ocupantes , agora com menos pressa de chegar ao destino, ainda foi valente em trazer sacos de batata e laranjas comprados ao longo da rodovia, o que conferiu à barca uma maior estabilidade e uma viagem mais tranquila. Foi uma experiência inesquecível. Poucos dias depois de retornarmos o veículo sofreu uma perda total nas mãos de outro funcionário que felizmente não sofreu ou causou nada de mais grave. Era um veículo muito perigoso, principalmente quando descarregado. Concordo com você que para os finais de semana com um passeio em família é uma solução boa, até divertida como outros mencionaram. Para ficar mais confortável pode-se até montar um A/C de teto!

    ResponderExcluir
  32. HM; eu já tinha ouvido falar dessas kombis para exportação; imagino agora o propulsor de 1800cm3 e noventa cavalos lá atrás de uma kombi....

    Esses 147 km/h reais são totalmente verídicos pelo que pude perceber na presteza em atingir os 130 da versão com motor menor. Imagino também o nível de concentração exigido para tocar uma kombi a quase 150. A questão de tomar as duas pistas é bem assim mesmo, em alguns momentos, você sente a direção totalmente desconectada de qualquer coisa tangível mesmo a velocidade bem mais baixas.

    Um perigo literalmente, é uma versão da Kombi que - felizmente - não viu o nascer do sol aqui no Brasil, causaria muitos acidentes em gente com mãos e pés pesados!

    Mister Fórmula Finesse

    ResponderExcluir
  33. Parabéns ao Mr.Fórmula Finesse por mais esse ótimo texto, e ao AE pela sua publicação.

    Dirigi Kombi algumas vezes, mas isso há muitos anos e sempre em trajetos curtos. Uma vez, meu cunhado comprou em SP duas Kombis novas para a empresa que tinha em Salvador, e me convidou para levar uma delas até lá. Na hora até fiquei entusiasmado, mas quando soube que era pra ser uma viagem non-stop, a lembrança do ruído azucrinante do motor me fez mudar rapidinho de idéia.

    ResponderExcluir
  34. Saudações caro Paulo, obrigado pelos comentários elogiosos....

    Esse tipo de viagem que seu cunhado (quem mais poderia?) lhe propôs, é algo realmente indecente; ainda mais se o motor for o barulhento boxer.

    Abraço

    MFF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kombi foi o carro mais divertido que já dirigi, é uma experiência para quem realmente gosta de dirigir e não apenas correr e pagar de bonzão com carros potentes (muitas pessoas confundem isso com dirigir). No meu primeiro emprego haviam Kombis na empresa e eu simplesmente adorava quando precisava pegá-las para fazer algum serviço. Depois disso nunca mais dirigi Kombi, mais tenho uma grande vontade de um dia comprar uma para transformar em MotorHome, sei que tem viaturas muito mais práticas e espaçosas para isso a preços razoáveis, mas tem que ser uma Kombi (e olha que não sou louco). Eu quero uma para transformar no modelo Caracol, que era transformada na década de 80 eu acho, com teto alto e rodas tala larga com paralamas alargados em fibra, muito linda. Mas nem tudo são flores, na minha cidade, tem um rapaz que conheço de vista (muito gente fina por sinal), que perdeu uma perna em um acidente de Kombi numa batida de frente. A segurança realmente poderia ser melhor, mas não se pode esperar muito de um projeto de mais de 50 anos que infelizmente não evoluiu. A proposito, já viram essa matéria???
      http://www.jalopnik.com.br/conteudo/uma-vw-kombi-para-rapidas-entregas
      Francisco.

      Excluir
    2. Francisco, eu até olhei uma Kombi Sáfari, só de farra mesmo, e fiquei impressionado com as soluções conseguidas em termos de aproveitamento da exígua plataforma da kombi....

      Mande uma foto dessa versão Caracol que não conheço!

      MFF

      Excluir
    3. Vou te mandar o link de onde encontrei no google:
      http://fuscaclassic.blogspot.com/2011/02/vw-kombi-caracol.html
      Era feita nos anos 80 pela empresa Minimax.
      Francisco

      Excluir
  35. Alexandre - BH -07/03/12 19:40

    Mister Fórmula Finesse,

    Parabéns pelo belo texto. Por alguns anos tive a “oportunidade de guiar algo tão sui generis” e posso garantir que a jurássica não deixou saudades, mesmo sendo adquirida nova. Obviamente não vou negar as qualidades do utilitário, bem lembradas na avaliação, mas isso não justifica sua fabricação até hoje. Não consigo ter essa visão romântica, quase saudosista por antecipação, sobre a moribunda alemã. E não pensaria em transportar minha família por aí em algo tão perigoso. Não há entusiasmo que resista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre BH; realmente o utilitário é uma nulidade em segurança, por isso, cuidado em dobro quando estou conduzindo os meus....

      Mas como já tenho certa manha em direção um pouco mais esportiva, achei interessante escrever sobre os paradoxos de um veículo tão inseguro, de desempenho dinâmico modesto...mas, que ao mesmo tempo, têm um quê de entusiasmo por ser exatamente isso: diferente.

      Andar forte com ela, deixando um limite de segurança para eventuais emergências, é uma experiência diversa em relação aos bons carros que hoje estamos acostumados. É um eventual termomêtro da evolução da ind.automobilística nacional....(famílias abastadas dos anos 60 e 70 andavam com a Kombi Luxo);

      MFF

      Excluir
  36. Adoro Kombis!

    Só não gostei da retirada do motor refrigerado a ar..perdeu a identidade, na minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, o motor boxer era a alma do carro, mas por conta das emissões e níveis de ruído, já era hora de sair de cena....

      O Bob Sharp; comentou sobre a distribuição de pesos mais correta com o velho motor. Um dado muito interessante!

      MFF

      Excluir
  37. MFF,
    Ótimo texto, mostra aquilo que muitos ignoram, mesmo aqueles que se dizem os mais entusiastas.
    E a Kombi realmente ajudou no desenvolvimento do Brasil, assim como o saudoso Bandeirante (governo militar e Amazônia que o digam). O triste é ver que a Volks a abandonou, deixou-a à própria sorte mesmo sabendo de toda história e potencial que ela possui. Pode ter um projeto de mais de cinquenta anos, mas ainda é a racionalidade - bem insegura, é verdade - sobre rodas.
    Talvez seja apenas a vontade de continuar vendo modelos novos nas concessionárias ou um apego a história que ela ajudou a construir, mas ainda sonho com a Volks anunciando um novo modelo com ABS e air-bag, por mais inúteis que eles possam vir a ser nesse caso.

    ResponderExcluir
  38. O que dizer da Kombi: é um carro totalmente ultrapassado e inseguro, mas é muito bacana guiar uma, ainda mais as mais novas, refrigeradas à água.
    Em uma empresa onde trabalhei (era coordenador de engenharia), tinha que visitar um cliente e havia reservado um veículo da frota (iria com um Santana ou uma Parati) porém chegando pela manhã no pátio, onde estavam os carros? rs
    Só a velha senhora (ainda de motor boxer)piscando para mim.... não tive dúvidas, peguei a chave e saí com a velha senhora... a engenharia parou para me ver saindo com a Kombi, o sarro foi geral e eu achando tudo aquilo muito engraçado, chegando no fornecedor de Kombi.
    Hoje trabalho na empresa mãe deste veículo e rodo de vez em quando com unidades da frota, é engraçado e até gostoso dirigí - la, exige certa perícia para entrar em curvas, andar forte, reduzir, fazer trocas rápidas, você têm que dominar o carro literalmente, nada de aparatos eletrônicos... moleque de hoje em dia toma uma surra da velha senhora.
    O EA 111 1400 é limitado à 4700Rpm e possui acerto de comando e central voltado para o torque, se soltassem todos os cavalos possíveis, muitos entregadores já haveriam morrido, o cãmbio provavelmente não aguentaria também.
    A turma da engenharia que trabalhava na adaptação do EA 111 na velha senhora cansou de voltar de Taubaté a 150~160km/h (sem limitador).
    É uma satifação ver quando um projeto é bom (se não fosse bom, não tivesse durado mais de 60 anos).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gonzales, bem lembrado sobre o acerto de torque...

      4.700 giros de corte, é um dado bem interessante, ela chega a esse giro aos 100km/h em terceira, e a exatos 132km/h em quarta; vamos chutar quase 150 sem limitador sim.

      Eu queria esse motor um pouco mais liberado em uma Spacefox mais barata, em um Fox...aposentando o esforçado 1000cm3.

      Mas a fábrica teria que anabolizar um pouco o 1.6, pois as diferenças seriam muito pequenas, uma coisa puxa a outra, alô Volks???

      MFF

      Excluir
    2. Aléssio Marinho08/03/12 10:00

      Gozales,

      Já que vc tem a informação "quente", não há nenhum rumor sobre a adoção da caixa de 5 marchas?
      Pra mim este é o único defeito da Kombi.

      Excluir
  39. Isso me fez lembrar dos bons tempos de criança, quando um tio tinha uma Mercedes e uma Kombi. Isso mesmo. Lá pelos idos de 64 ou pouco mais. Viajei muito na Kombi, onde íamos e vínhamos de Ribeirão Pires, então conhecida como a Suissa Brasileira, em sete pessoas. Meus pais, eu e minha irmã, minha tia, um primo e obviamente meu tio. Eu e o primo vínhamos acocorados e brincando lá no fundo, em cima do motor. Por diversas vezes meu tio brecava e nós dois faziamos corpo mole e rolávamos pelo último banco até o chão e rindo a valer para desespero de nossos pais. A Mercedes? Bem, servia para passear aqui em Santos. Naquela época, Ribeirão Pires só tinha calçamento no centro.

    ResponderExcluir
  40. tive todas, desde a corujinha até uma diesel cabine dupla, a última da série. Rodei fácil uns 400.000 com as "catarinas".
    Mais de 20 anos usando e abusando na cidade e estrada. Com uns 300 k no lugar do banco do meio ficava estavel e dava pra ir buscar o limite sem maiores sustos, DESDE QUE soubesse o que fazer quando a frente escapava. Aprontei muito com as minhas e me divirti muuuuito. Todas deixaram saudade. No tempo das vacas MUITO MAGRAS, era carro da família, condução, escritório e pensão (sou agrimensor).
    Delicia de texto .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Regi, acredito até que o motor boxer "pendulava" menos a traseira do que o novo motor, certo?

      Ótimo que tenha gostado do texto, lembrei lá pelas tantas, que já tinha comentado no blog sobre sua imensa experiência com a pioneira;

      abraço

      MFF

      Excluir
    2. Depois de se acostumar, era dar uma "chamada" que a traseira saia o suficiente para a proeza pretendida. Dava para escorregar tranquilamente já que faltava motor e sobrava diversão. Pendulava na medida.
      E tem gente ( a maioria) que pensa que tomba fácil. Basta conhecer os limites e respeita-los. Abs

      Excluir
  41. Rafael Ribeiro07/03/12 21:58

    Um ícone do mundo automotivo, chamada pelo nome em qualquer país onde foi comercializada, não há quem não a conheça. Cheia de defeitos, mas lotada de virtudes, uma verdadeira contradição ambulante. Por tudo isso, ainda vou ter uma, para curtir devagar, em dias especiais, mas devidamente melhorada e decorada, meio "vintage", meio customizada, para ficar mais "digerível" e dirijível...

    ResponderExcluir
  42. Belo texto! Como proprietário de uma Kombi 74, só me resta assinar embaixo!

    ResponderExcluir
  43. Trabalhei em uma empresa que exigia que se fizesse um curso de direção defensiva e um teste prático para poder ser autorizado a dirigir os veículos da empresa. Feito o curso, chego pra fazer o teste e o carro usado para o teste era justamente uma Kombi. Nunca a tinha dirigido, então comecei naturalmente devagar, principalmente por saber que estava sendo avaliado. Ao final do teste, tive de estacionar a Kombi numa vaga em aclive. Até que foi fácil...Gostei tanto da Kombi que, depois disso, quando precisava pegar um carro no pátio da empresa para sair sempre acabava procurando pra ver se achava uma.

    ResponderExcluir
  44. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  45. Cajurú. Falta discernimento para você. A Kombi, em seu tempo, foi um excelente veículo. Hoje ela ainda é fabricada porque possui sua clientela. No Brasil, se você pesquisar um pouco, vai encontrar substituto mais moderno e, consequentemente mais caro.
    Agora, se você acha o Brasil uma piada, são pessoas como você que contribuem para isso. Criticar de uma forma pejorativa, no anonimato, não ajuda para o crescimento de nada. E se você não gosta do Brasil, faça um favor: caia fora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo Mar 7 06:26
      Já cuidei disso.

      Excluir
    2. Um mercado que ainda tem Kombi não é uma piada? Qual o problema em dizer que na sua terra natal ela foi substituida a tempos

      Excluir
    3. O anônimo aqui é vc!

      Excluir
  46. [OFF TOPIC] SÃO PAULO – O Ecad, escritório central de arrecadação e distribuição, quer receber pagamento de blogueiros. A organização começou a cobrar R$ 352 mensais de blogueiros que incorporam vídeos do YouTube em seus posts — a justificativa da entidade é que os vídeos são uma forma de “retransmissão musical” e, por isso, os donos de blogs precisam pagar direitos autorais.
    A primeira a receber a cobrança foi Mariana Frioli, do blog A Leitora. Mariana estranhou quando recebeu, na semana passada, uma ligação de um estagiário do Ecad. Ela não havia fornecido seu celular a ninguém. Além disso, seu blog é pessoal e fala sobre suas próprias leituras. O estagiário explicou que a cobrança referia-se ao trailer do filme Delírios de Consumo de Becky Bloom e enviou por e-mail mais detalhes sobre a cobrança.

    http://blogs.estadao.com.br/link/blogs-sao-cobrados-por-incorporar-videos-do-youtube/

    ResponderExcluir
  47. Alexandre - BH -08/03/12 03:05

    O Paulo Levi desistiu da viagem a Salvador por causa do “ruído azucrinante do motor” da Kombosa. Melhor fazer como os alfistas Osvaldo Strada, Ito Bir e Miklos Stammer, que curtiram a sinfonia dos motores FNM até a capital baiana. Se for pra encarar uma viagem tão longa a bordo de um veículo cinquentão, que seja num FNM! Vejam o show de Ito Bir cruzando as marchas do bruto:

    http://www.youtube.com/watch?v=KtE3lyKatWc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alexandre, valeu a dica! O que esse cara faz não existe, nem mesmo no Cirque du Soleil. (Pra quem quiser ir direto ao ponto, o show começa lá pelos 1'35 do vídeo.)

      Excluir
  48. Já que tocaram no assunto sobre Kombi com motor 1.8, me lembrei de que anos atraz um amigo dono de uma loja de veiculos sinstrados e peças usadas me ligou e falou, vem ver o que tenho aqui.
    Chegando lá me mostrou e falou, Já tinha visto isto???. Eu falei nunca. Tratava-se de um conjunto motor AP e cambio 5 marchas de uma Kombi para exportação. Não tinha grana na epoca para comprar, e ai outra pessoa comprou. A kombi foi comprada como sucata. Esse fato entre outros é que me convence que as montadoras nem tão ai para nós, e quando damos tanto valor a algo ultrapassado ainda em produção damos mais creditos a estas montadoraras.

    ResponderExcluir
  49. Falaram aí na Kombi ser barata.
    Barata pra quem roda pouco, transportes curtos, mercadorias e autônomos.
    E para isso se tem a opção de uma Fiorino Furgão - pra levar coisas leves.

    Como van de trabalho que fica o dia inteiro rodando a Kombi é DISPARADA A MAIS CARA. Se for levando passageiros então aí é que ela não se paga mesmo.

    Uma van grande a diesel é cavalarmente mais rentável que a Kombi. A prova disso se vê nas ruas.

    E mesmo, acho que no Brasil a VW deveria tê-la trocado por algo mais moderno em simples respeito ao consumidor. Mas assim, pequena, simples e robusta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mas existem ramos de negócios em que uma van a diesel não se paga. Pequenos agricultores e comerciantes, padeiros, transporte escolar em cidades pequenas, profissionais liberais e prestadores de serviço (pedreiros, jardineiros, eletricistas, encanadores). Trabalho em uma refinaria, e praticamente TODOS os prestadores de serviço a utilizam para trabalhos internos (transporte de funcionários e equipamentos, entrega de refeições e água, suprimento de materias de escritório, material de higiene, limpeza e correspondência) como só se pode andar a 30 km/h ela é perfeita, pois é barata (relativamente), flexivel (o próprio nome já diz, Kombi) e robusta. Você pode levar uma equipe de trabalhadores, as ferramentas e ainda buscar uns sacos de cimento para uma obra se faltar.
      Francisco.

      Excluir
    2. A Kombi é comparativamente a mais barata sim!

      Enquanto a Fiorino vai ser sempre um Furgão, a Kombi pode ser convertida facilmente num veiculo de transporte de pessoas.

      Excluir
  50. excelente post você transformou sensações em palavras.em minha opinão a kombi possui o melhor projeto de carro ainda a venda no Brasil. FTR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a kombi tem um projeto memorável de fato.

      bem diferente do Celta que o Bob defende aqui como sendo o estado da arte.

      em termos de projeto, Kombi e Celta são como vinho x esgoto.

      Excluir
    2. anônimo 8/03, 3:34
      A Kombi está longe de ser um vinho assim como o Celta passa longe do esgoto. Você só fala besteira até mesmo porque não há nenhuma forma de comparação entre esses dois aí. E o Bob NUNCA falou em "estado da arte". Tonto.

      Excluir
    3. Eu falei de projeto, não de produto. E projeto são comparáveis sim.

      Isso só prova que você como "entusiasta" conhece muito do assunto não é?

      Excluir
    4. AnônimoMar 8, 2012 05:21 AM,

      você é burro mesmo hein?
      solte suas pedras e pegue um lápis pra voltar pra escola.

      os projetos tem sucessos bem diferentes.

      imbecil.

      Excluir
    5. anonimo 8/3, 5:43

      Errado, de novo. Besteira, novamente. Projetos, dependendo ao que se destinam, NÃO são comparáveis, meu caro. Como entusiasta, conheço o suficiente. Se mais ou menos do que você, não faz diferença já que tem muita gente instruída que às vezes mete os pés pelas mãos.

      Piolho
      Não será um tipo com um nickname desses a me ensinar ou até mesmo sugerir alguma coisa, certo? Volte para a pelagem do vira-lata do qual você saltou.

      Excluir
    6. ui!
      A BATALHA DOS ANÔNIMOS VOLTOU!!!

      Excluir
  51. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  52. Um dos veículos mais divertidos de se dirigir... Tenho uma aqui precisando de um motor pra voltar a rodar...

    ResponderExcluir
  53. Mr.Formula Finesse, parabéns pelo texto excepcional! Dá gosto ler algo bem redigido, a inteligência em suas linhas contagia o leitor.
    Ademais, você demonstra o que é um verdadeiro "entusiasta". Fazer essa avaliação é um tapa na cara de quem acha que entende alguma coisa de carro e saiu falando mal de um modelo ou outro sem propriedade. Bom saber que ainda existem pessoas assim no mundo.
    Por fim, não o conhecia pois sou novo por aqui, mas já detem minha admiração, grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jr: obrigado pelo incentivo!

      Escrevendo sobre Kombi, ou avaliando uma Ferrari (evidentemente que nunca sentei em uma..), o espírito seria o mesmo, tentar passar ao leitor a imagem mais fiel do que o carro pode proporcionar ao seu motorista em determinadas situações. O texto não foi para provocar, mas sim, dividir impressões sobre um veículo muito emblemático (pelo bem e pelo mal) no nosso país.

      Todos carros têm algo bom a mostrar, como diz o poeta: "tudo vale a pena, quando...etc, etc"; então, o modo de descrever o drive de um carro, de minha parte, sempre terá alguma pitada mais intuitiva, talvez menos racional, mas entusiasmada e de coração.

      A direita no menu têm um pequeno blog: Madl e MFF, onde escrevi algumas pequenas matérias sobre carros, o Mestre Bob Sharp, que ofereceu uma data nesse blog, para o artigo da Kombi, agradeçemos a ele então!

      MFF

      Excluir
  54. Mister Fórmula Finesse, belíssimo texto. Parabéns!

    Fernando Campolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Fernando!

      MFF

      Excluir
  55. Belo texto Mister !

    Sabes de uma coisa ? Não só Kombi, mas centena de outros carros muito emblemáticos poderiam futuramente serem devidamente comentados e testados. Pois muitos carros principalmente de outras época como as dos anos 70 e 80 tem de certa forma poucos dados e informações interessantes, que acrescentam valor e historia ao mesmo, pois não é só de números frios que distinguem um bom carro.

    Voto em algum que tenho muito vontade de saber qual é a real deles como:
    Porsche 914 e 914/6

    VW Karmann Guia
    Ford Maverick GT V8 manual
    GM Opala Coupe SS6 1977/8
    Puma GTB e AMV
    Fusca 1.6S 1984
    GM Monza S/R 1986/8
    VW Passat GTS Pointer


    Valeu !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela sugestão Antonio, se tivesse esses carros a mão, com certeza eu escrevia a respeito.

      Boa e saudosa seleção de esportivos!

      MFF

      Excluir
    2. Mas Mister, fala com a "diretoria" ae do AE ! Corra atras de alguns, pois da forma que você diserta um carro, valera muito a pena nos passar a impressão, ou se for o caso fica a dica ai para Bob, Arnaldo, Paulo...

      Fico imaginando como seria um TD moderno com esses carros antigos que marcaram nossa historia e a do mundo também claro, pois tem muita historia e obviamente muita folclore principalmente em muitos carros...rs

      Fica a dica !

      Valeu.

      Excluir
  56. Pimpolho é um cara bem legal,
    pena que não pode ver mulher.

    Quando vê já pede pra baixar,
    já pede pra abaixar.

    Ela tá dançando e pimpolho tá de olho,
    cuidado com a cabeça do pimpolho!

    Ela tá dançando e pimpolho tá de olho,
    cuidado com a cabeça do pimpolho!

    ResponderExcluir
  57. Henrique Lopes08/03/12 11:14

    Estava lendo seu texto (muito bem escrito) e me lembrei e me lembrei desta Kombi:
    http://www.jalopnik.com.br/conteudo/uma-vw-kombi-para-rapidas-entregas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Henrique, eu já tinha visto esse post curiosíssimo....veja bem, rodas de Polo GTi na Kombi, um veneno ponderado, modificações na suspensão e freios...ficou um bichinho até bem coerente!

      Parabêns ao proprietário dela!

      MMF

      Excluir
  58. E já repararam como essas Kombi 1.4 flex dão muito mais prego do que as antigas, carburadas e c/ motor 1600 refrigerado a ar.

    ResponderExcluir
  59. Temos um abismo tecnologico em apenas duas gerações de automóveis...Os mais vividos com certeza adoraram o post e sabem do que se está falando e lendo. é como comparar um velho avião "paulistinha" com um moderno "tucano", o cara que pilota um avião moderno dificilmente sairá do lugar com um cessna antigo ( acho que não conseguirá nem por o motor em marcha! )O mesmo acontece com os automòveis: Quem aprendeu a dirigir em um carro com injeção, direção hidráulica( ou eletroassistida!) dificilmente colocará em funcionamento um corcel II á alcool,e cruzará uma grande cidade como S. Paulo intacto...no entanto, o consumo desta antiguidade chega a ser melhor do que muita modernidade flex por aí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo ..Tenho um Corcel A Alcool que chega a fazer 11 Km/l ..Nego acostumado com a injeção se caga para fazer um carro antigo a alcool andar na fase fria...Não sabem nem o que é afogador..

      Excluir
  60. Renato Amorim08/03/12 16:29

    pois é!! brilhante texto, informações exatas! Eu tenho um Kombi pick-up 74 (pp , toda original e adoravel!) e uma furgão 2008 comprada zero km! Adoro as duas! não as uso para trabalho, dirigo porque....gosto delas! gosto de olhar pra elas, de andar com elas, (existe dirigir mais puro ? pelo menos a preco razoavel??) Mulheres não gostam. Admiradores de plastimóveis tb não.
    Não importa, eu as adoro. antes de 2013, vou comprar outra!

    ResponderExcluir
  61. Cheia de defeitos, mas lotada de virtudes... isso diz tudo sobre a Kombi.

    Que o diga Heródoto Barbeiro: vejam essa entrevista: http://carsale.uol.com.br/hotsite/entrevistas/entrevista5.shtml

    ResponderExcluir
  62. Voltando aos motores: porque a linha da Volks não é assim:
    -Gol básico 1.0 e top equipado 1.4
    -Saveiro 1.4 básica para trabalho e 1.6 para lazer
    -Fox todos somente 1.4
    -Spacefox básica 1.4 com programação diferente da injeção e 1.6 top
    -Polo hatch 1.4 e sedan 1.6 para diferenciar o público alvo
    -Golf igual ao do exterior
    -Versões atualizadas de Eurovan e Caravelle, que foram vendidas aqui como importadas
    -Todos os modelos top com AC, DH, airbag e ABS
    -Todos os modelos básicos com airbag e ABS, AC opcional
    Extendendo estes últimos itens a todos os fabricantes, em sinal de respeito ao consumidor brasileiro.

    Mauro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mauro, você está defecando pela boca.

      Excluir
    2. Hihihi, essa foi boa.

      Excluir
  63. Deixe de ser imbecil, Mauro. Mas porque você acha que os apreciadores de carros hatch precisam ter motores menos potentes?
    Vá lavar pratos e deixe de dar palpites furados.
    Você é mais um idiota que prefere carros com enormes bundas? Me explique porque carregar aquele rabo enorme o ano todo, só para fazer uma viagenzinha de final do ano com o carro abarrotado de entulhos?
    Não tenho o hábito de me portar dessa maneira, mas essa tua burrice doeu e não consegui segurar.
    Peço desculpas aos demais.

    ResponderExcluir
  64. Eu acho a Kombi muito charmosa. Apesar dos entusiastas curtirem mais a "Corujinha" (fabricada até 1975 aqui no Brasil), eu gosto muito da Clipper, inclusive a estrangeira, que se aproxima bastante no estilo de nossa Kombi atual. Mas paixão tem limite, acho que a Kombi, apesar de ser muito útil, está ultrapadissíssima para nosso cenário atual...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mauro minha lista seria assim: Gol G5 1.8 e 2.0 GTI
      saveiro 1.8
      fox sai de linha
      polo mais basico de 30 a 40 mil
      sai spacefox entra parati G5 1.8 e2.0
      Nao sei se iriam vender bem mas seriam divertidos com certeza.
      FTR

      Excluir
    2. AP forever detected, again!

      Excluir
  65. Mauro minha lista seria assim: Gol G5 1.8 e 2.0 GTI
    Saveiro 1.8 e 2.0
    Fox sai de linha
    Polo de 30 a 40 mil
    Sai Spacefox entra Parati G5 1.8 e 2.0
    não sei se iriam vender bem mas seriam divertidos com certeza
    FTR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AP forever detected!

      Excluir
    2. Acho exagerado dizer que sou um "AP forever" apesar de admitir que a ideia de colocar um motor AP 2.0 turbinado em uma kombi as vezes passa pela minha cabeça.
      FTR

      Excluir
    3. AP Forever (X2)

      A VW e seus motores ULTRA MODERNOS , com cilindrada de 1.6 , desempenho de 1.4 , e consumo de 2.0...................

      JONES

      Excluir
    4. AP forever (x3!!!)

      concordo em genero numero e grau:

      EA-111. Motor de concepção antiquissima. Projeto da década de 1970 (Polo) que as revistas insistem em vender a ideia que foi desenvolvido para substuir o CHT do Gol 1000

      Excluir
  66. Assistam a esse vídeo, e vejam a joia que esse americano tem na sua garagem:

    http://vimeo.com/28529395

    ResponderExcluir
  67. Parabéns ao MFF , o Blog precisa de matérias assim , pois é muito mais legal ler uma matéria sobre uma KOMBI do que aguentar os posts reclamando da CET, películas , painel que esquenta ..etc.. etc..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo Mar 9 06:14 AM
      A linha editorial do AE é ampla e não se consegue agradar todo mundo. Mas esse texto do MFF sobre a Kombi é mesmo ótimo.

      Excluir
    2. Um mercado que ainda tem Kombi não é uma piada? Qual o problema em dizer que na sua terra natal ela foi substituida a tempos?

      Excluir
    3. O anônimo aqui é vc!!

      Excluir
  68. Calma trolls donos da verdade aí de cima. Que falta de educação sair logo agredindo quem discorda das suas opiniões! Meu carro é um hatch 2.0 a propósito, e não carrego enormes bundas com entulhos. As sugestões da linha Volks se baseiam no usuário padrão, não-autoentusiasta, que queiramos ou não é a imensa maioria dos compradores, senão não teríamos no mercado Classics e Fiestas 1.0... Claro que seria ótimo termos Polo GTI 2.0, Golf turbo, etc., mas nossa realidade é outra. O Fox exportado para a Inglaterra tem motor 1.4. Nos mercados mais evoluídos as motorizações mais fortes ficam para os médios. Os carros do porte de Gol e Fox são urbanos por essência. Quem além de rachadores precisa de uma Saveiro 2.0? Leiam o post sobre segmentos de mercado (A, B, C) e consultem os sites europeus das marcas de carros antes de sairem agredindo gratuitamente os colegas de blog. Penso que todos aqui gostamos de carros e cada um tem suas opiniões, cabendo a nós manter o nível de debate adulto e não de crianças de oito anos. Por favor, mais maturidade!

    Mauro

    ResponderExcluir
  69. Mauro,minha ideia não foi te ofender e não sou nem pretendo ser dono da verdade.Mas tambem tenho direito de fazer uma lista de sugestões e de sonhar com uma Saveiro 2.0 ,uma kombi turbinada e ate um uno mille 1.8 e torq apesar de nao precisar deles.Felipe Tavares FTR.

    ResponderExcluir
  70. Felipe, sem problema, me senti ofendido pelo comentário do Celio, que especulou demais sobre o que não sabe. Também gostaria de ver um Uno 1.8, uma Spacefox com motor de Jetta, mas a indústria nacional não tem olhos pros autoentusiastas, vide o Polo GTI que andou por aqui custando mais de 80 mil. Que mercado será que teríamos para estes carros mais exclusivos, e a que preço? Mercado até tem, mas os contadores de feijão não deixariam a engenharia ir tão longe. Dirijo desde quando as ruas tinham Gol GTi, Santana, Monza S/R, e naquele tempo conseguíamos escolher tecido e cor de revestimento interno, e não havia financiamento em 60 vezes como hoje.

    Mauro

    ResponderExcluir
  71. Estamos usando uma das últimas "a ar e com porta lateral dupla". Confesso que torci o nariz nos primeiros dias, mas hoje existe competição em quem dirige a "Tétana", enfeitada pela maresia do litoral embora mecanicamente impecável. A Kombi merecia os upgrades das irmãs européias ricas, com suspensão melhor e mais segura. Fora isso, é o carro mais honesto que existe, entrega exatamente o que oferece: "uma das maneiras mais econômicas de se carregar 1 tonelada" - http://www.youtube.com/watch?v=LkrtFtemn1o

    ResponderExcluir
  72. Bom, não li todos os comentários, mas só posso parabenizar o MFF pelo delicioso texto!

    Fiz estas experimentações com uma Kombi 96 álcool (0km na época) que dirigi algumas vezes num antigo trabalho, e algo mais suave com a minha Luxo 1974. Com certeza não teria descrito melhor essas sensações. rsrsrsrs

    Enfim, podem me chamar de louco, mas espero conseguir comprar a "Última Edition" em 2013 para fazer par com a corujinha aqui em casa.

    Só quem teve o prazer de passar a infância dentro desta valorosa guerreira entende esse tipo de loucura e afetividade pelo "pão pullman de aço".

    Abraços

    Velho, mas limpinho

    ResponderExcluir
  73. Marcelo Junji11/03/12 00:37

    Mister Fórmula Finesse, eu também queria uma boxer para lazer(e para trabalho) e desisti pelos mesmos motivos. Também acho a kombi ideal para passeios(e para tralho) com a família, até queria comprá-la mas o seu preço também me assustou, achei que ela fosse mais barata. Enfim, comprei outro carro que também foge dos padrões da maioria. O duro é ficar ouvindo das pessoas que eu deveria ter comprado outro carro, que para eles (na cabeça deles) seria mais vantajoso, pois pelo preço que paguei dava para comprar coisa melhor. Cada um sabe o que lhe é mais útil e prazeroso.
    Fiquei contente ao ler este texto e ver que o Sr. pensou da mesma forma que eu (comprar uma kombi para levar bastante gente da família passear), mas decidi comprar outro carro que infelizmente não leva todo mundo, mas que também garante diversão.

    ResponderExcluir
  74. Um mercado que ainda tem Kombi não é uma piada? Qual o problema em dizer que na sua terra natal ela foi substituida a tempos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Problema nenhum. O problema são alguns saudosistas que parecem não admitir a verdade nua e crua de que a Kombi é um anacronismo nos dias de hoje. Se gosta de Kombi, beleza, problema seu e ninguém tem o direito de te julgar por isso. Agora, vir defender esse veículo como meio de transporte viável nos dias de hoje é loucura. Mas o mercado brazuca é mesmo muito esquisito. Difícil entender.

      Excluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...