29 de janeiro de 2009

10 motivos para ter esperança no futuro


Alguns leitores, olhando pelos comentários recentes do blog, acreditam que aqui vive um grupo de anacrônicos adoradores do passado, gente sem nenhuma esperança no futuro e com uma visão erroneamente romântica de tudo que ficou para trás. Dizem que somos tolos arautos de um tempo selvagem e não-civilizado, que nos esquecemos de andar para frente e aceitar o que há de bom no novo, ficando presos a lembranças que filtram tudo de ruim e só veem o lado róseo e florido daquele tempo.

Bom, leitores, é tudo a mais absoluta verdade.

Posso ser um dinossauro em extinção, mas eu já rodei por esta terra com meu multicarburado Opala numa época em que não se imaginava ser possível radares tirando fotos transmitidas on-line ao Detran, para que dias depois aparecesse uma multa em casa. Uma época em que existiam apenas três revistas especializadas nas bancas e todas eram ótimas. Fazer o quê? Sinto saudades desse tempo, ué. Não posso negar, sob pena de não ser sincero.

Mas isso não quer dizer que não olhe para o futuro com esperança. Posso passar mais tempo reclamando do que mudou e não volta mais, mas isto é porque, também gosto de entender o passado e leio muito para tentar (em vão) entendê-lo e, desta forma, por referências passadas, compreender o presente e aceitar o futuro.

Mas mudar é bom; é muito bom. É doloroso, muitas vezes, principalmente quando não se gosta do que está mudando, mas é muito bom. Na verdade, é mais que apenas “bom’: é indispensável!

Lembro sempre da conversa entre o babuíno Rafiki e o leão Simba, naquele clássica releitura de Hamlet para crianças que é o filme “O Rei Leão”. O jovem Simba vive uma vida boa, mas vazia, sem objetivo, e se recusa a mudá-la, atormentado pelo seu trágico passado. Rafiki dá-lhe uma cacetada na cabeça, o leão reclama. Rafiki diz:

- A cacetada não é importante, está no passado!
- Mas ainda dói! – diz Simba
- Vai passar, Simba! Mudar é bom; mas dói…

E temos muitos motivos para acreditar que o futuro ainda será bom para nós, insignificantes seres que gastam uma quantidade enorme de seu tempo dedicadas a essas malditas máquinas que, apesar de criadas para nos servir, nos fazem absolutamente escravos delas.

Separei 10 destes motivos para vocês:

1) Chevrolet Corvette
Que um Corvette básico atual é mais potente e muito mais barato que um Porsche 911, todo mundo sabe, é apenas a continuação de de uma longa tradição entre os dois clássicos rivais. O que poucos perceberam é que hoje o Corvette tem o mesmo peso que o Porsche…

O V8 do Corvette é em minha opinião o melhor propulsor já montado em um automóvel. Todo em alumínio, é leve, minúsculo, mas de grande deslocamento volumétrico, potência e torque. E, para surpresa dos que ainda se prendem a relação potência-deslocamento para determinar a eficiência de um motor, é também econômico, capaz de gerar 11 km/l na estrada quando montado no ‘Vette.

O carro também é um exemplo de carro esporte completo; recordista de Nürburgring; exímio atleta nas curvas.

O básico hoje tem 436 cv. Se não houvessem seus irmãos “maiores” Z06 (512 cv) e ZR1 (628 cv), já seria o mais potente Corvette da história. Mais potente até que o Z06 da geração anterior! É ou não é motivo para esperança no futuro?

2) Chevrolet Cobalt SS:
Já falei dele aqui. Não é uma alegria um carro que parece com algo que se aluga em Orlando para ver o Mickey, ser mais rápido em circuito do que um Lotus?

3) Nissan GT-R:
Um carro esporte para o novo século. Tecnologia a serviço da velocidade pura.

4) Renault Logan:
Este é controverso, sei. Mas eu realmente gosto do fato de que o Logan existe.

O Logan é a negação da moda, do fútil e do supérfluo.

O desenho ficou em segundo plano à função. Segue a premissa básica de que um carro deve servir para tudo; o que é a grande furada da teoria do carro elétrico, que pretende ser usado em percursos curtos apenas.

O Logan está feliz, e tem o tamanho certo para rodar na cidade diariamente levando seu dono ao trabalho e diversão. E quando chega o fim de semana, leva 5 pessoas e bagagem a qualquer lugar com conforto, economia e velocidade exemplares. Extremamente leve para seu tamanho interno, o Logan consegue ser rápido o suficiente mesmo com o motor 1,0. E com o excelente Renault 1,6 de 16V, é um carro com o qual posso andar tão rápido quanto eu possa desejar.

E daí que é feio? Carro é para dirigir, não para mostrar ao vizinho. Um triunfo da lógica sobre a emoção, ainda assim é uma experiência memorável para se dirigir com fúria.

Designers odeiam o Logan. I simply love it!

5) Big, old Japanese cars:
Eu atualmente tenho como meu carro de uso um velho e surrado Nissan Maxima de 1995. Feio, rodas descascadas, parachoques trincados.

Mas o carro roda sem fazer um barulho, como é de praxe em carros japoneses. O couro ainda está impecavel e absolutamente tudo funciona como deveria, do toca-fitas e CD player (3/5 inch compatible!) ao retrovisor elétrico. Enorme, largo, longo, baixo, lembra um Landau em tamanho.

E o motor… primeira aparição do V6 “VQ”(3 litros e 192 cv ), este motor de alumínio é uma jóia. Ronrona feito um gatinho em baixa, mas quando se afunda o pé, urra feito um Ferrari até 7.000 rpm com uma voracidade e uma suavidade que deixa a boca cheia d’água e todos os pelos da nuca arrepiados. Dados de época colocam a aceleração de 0-100 por hora em menos de 7 segundos e uma velocidade final acima de 230 km/h. Feels fast as hell.

Paguei oito mil reais no carro ao final do ano passado. Se isto é possível hoje, o que nos reserva o futuro?

Um Camry hoje tem quase 295 cv, mesma potência (num carro de tamanho semelhante) que o lendário Mercedes 450SEL 6.9.

6) Citroën
O C4 e o C6 são geniais. Como sempre, Citroëns não são para quem quer velocidade pura, apesar de em mão hábeis serem ótimas ferramentas para este fim. Mas são exelentes lugares para passar o tempo dentro, coisa que fazemos muito hoje em dia.

São originais, arejados, alegres, extremamente funcionais, incrivelmente confortáveis, tecnologicamente avançadíssimos, uma verdadeira brisa de ar puro para quem não se conforma com a mesmice reinante em desenhos automobilísticos. Vai olhar um ao vivo em detalhes e entenderás o que digo.

Extremamente alinhados com seu tempo, mereciam dominar as vendas de carros “normais” neste novo século.

7) Porsche Panamera e Aston Rapide
Carros esporte de quatro lugares são uma real novidade e uma ótima ideia. Já expliquei aqui que a Porsche fez o Panamera do jeito errado, e que a Aston já morreu, mas, paciência. A ideia é realmente ótima.

8) Morgan:
A empresa familiar completa 100 anos em 2009 ainda fabricando um carro que lançou em 1936, com estrutura de madeira, totalmente feito à mão num proverbial casebre no interior da Inglaterra.

Até os parafusos são fabricados lá, como há 100 anos atrás.

É uma felicidade que ainda exista algo assim, que traz o passado ao presente e o eterniza. Que a empresa dure mais 100 anos desta forma!

9) Bugatti Veyron
Só o fato de ter gente ainda preocupada em fazer o carro mais veloz do mundo me dá esperanças no futuro da humanidade.

10) Porsche 911:
Herdeiro de uma longa tradição, nunca vai morrer, só melhorar. Como diz a melhor propaganda de carro já criada:

“Perhaps it’s time, once again, to be thankfull that we live in the world that we do. And there are companies like Porsche, that build cars like these.”

Amém!

MAO

9 comentários:

  1. MAO,

    Fantástico o seu post. Engraçado como alguns que se dizem autoentusiastas ficam incomodados com pessoas gostarem de carros antigos.

    Porém, como bem dito em seu texto, os "dinossauros" não são avessos às inovações, muito pelo contrário. O fato é que sempre fica uma ponta de saudade dos tempos antigos, onde os carros tinham personalidade e serviam para muito mais do que transporte de pessoas e suas bagagens.

    Gosto muito dos Citröen C4 e C6, pois além do design arrojado, têm muita tecnologia embarcada, a um preço bastante justo (novamente, nós, brasileiros, somos flagelados pelos terríveis impostos...) Ou seja, são carros modernos e com personalidade, algo não muito comum hoje em dia.

    Os Corvette então, nem se fala! O maravilhoso V8 7-litros produzido com o bloco da série 350 é uma maravilha. Compacto e muito potente, ao mesmo tempo que é bastante comedido no consumo.

    Por outro lado, admiro a versatilidade do Renault Logan. É, digamos, a versão revista e ampliada do Fiat Uno, onde justamente o formato "caixote" é que proporciona bom espaço interno a todos, aliado aos menores custos de produção. E o desenho não acho nem tão feio assim. Racionalidade também agrada aos autoentusiastas.

    Muito bem colocada a passagem do filme "O Rei Leão". Caiu como um luva no que você disse sobre mudanças.

    ResponderExcluir
  2. Sensacional este post, MAO. Muito interessante a sua visão. Se houver outro concurso de "Melhor post" do AUTOentusiastas, você é sério candidato ao bi com este.

    ResponderExcluir
  3. Fabio,

    Que bom que gostou!
    Eu que agradeço a sua atenção!

    Bob,

    Vc sabe como prezo sua opinião. Obrigado!

    Como dizia Mark Twain:
    "I can live two whole months on a compliment alone!"

    MAO

    ResponderExcluir
  4. Clésio Luiz29/01/09 23:47

    Eu concordo sobre o que você falou do Logan. Só acho ruim a posição dos botões dos vidros elétricos. Se consertassem isso eu daria nota 9 pra engenharia dele (só não dou 10 por causa da maldita massa de calafetar que eles usam por dentro do revestimento das portas...)

    Sobre a propaganda do Porsche 911 turbo que você citou, eu ainda me emociono toda vez que eu vejo ela. Realmente uma obra prima. Eu fiz até uma legenda pra ela, para que os meus amigos que não compreendem bem o inglês falado pudessem sentir a vibração do texto.

    Tai uma sugestão pras suas listas: as 10 melhores propagandas de carro. Se essa é a primeira, quais serão as outras?

    ResponderExcluir
  5. As revistas especializadas em automóveis não existem mais. A Quatro Rodas virou Quatro Patas, a Auto Esporte idem e a Motor 3 ... infelizmente não existe mais.

    ResponderExcluir
  6. Como outros já disseram MAO, belíssimo Post. Pela minha idade acho que ainda não sou um dinossauro... Mas pela minha cabeça acho que me enquadro na categoria, pelo menos no que diz respeito aos carros antigos. E quando a mudança/novidades, por que não acrescentá-las aos antigos!! Fazer "pequenas" atualização nos antigos acompanham o mundo dos entusiastas desde os primeiros hots. E como você brilhantemente passou no seu Post, porque não gostar do passado e continuar feliz com o presente? Em algum momento esse passado foi futuro pra alguém, que possívelmente o criticou, e estamos nos aqui hoje o adorando.


    Mais uma coisa, obrigado pelo primeiro parágrafo assumindo a todos a posição sincera que mesmo criticada é a mais pura verdade. Faço minhas suas palavras!


    Luís F.

    ResponderExcluir
  7. Clésio Luiz,

    Sugestão anotada!

    Luís F.,

    Que bom que vc gostou! Agradeço o tempo dispensado em ler o que escrevo!

    MAO

    ResponderExcluir
  8. Enquanto existirem sites como o AUTOentusiastas, onde podem ser lidos textos como este, ainda há esperança sem dúvida, MAO. Como disse Bob Sharp, sério candidato a melhor post!

    ResponderExcluir
  9. Olá.
    Beleza de blog e de post.
    Junto do Logan colocaria a VW Kombi, o último verdadeiro VW ainda em produção. Merece estar na lista dos dez carros significantes, também.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...